Fábrica de fórmula para bebês chega a acordo com governo dos EUA para reativar unidade interditada | Economia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O grupo americano Abbott entrou em um acordo com a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), nesta segunda-feira (16), para retomar a produção de leite em pó para bebês e aliviar a escassez do produto.

De acordo com um comunicado da farmacêutica, o acordo, formalizado através de um “decreto de consentimento”, estabelece passos para retomar a produção na fábrica do Michigan, que foi interrompida devido a um recall.

“Uma vez que a FDA confirme que os requisitos iniciais para a retomada da produção foram atendidos, a Abbott poderá reiniciá-la na fábrica [do Michigan] dentro de duas semanas”, diz a nota.

No entanto, a empresa alertou que, “a partir do momento em que a Abbott retomar a produção na fábrica, levará de seis a oito semanas até que o produto esteja disponível nas prateleiras”.

Enquanto isso, a Abbott seguirá importando leite para bebês de sua fábrica na Irlanda para tentar limitar a escassez nos Estados Unidos.

O país vive uma rara falta de leite em pó para bebês que preocupa milhões de famílias. Inicialmente causada por problemas na cadeia de suprimentos e pela falta de mão de obra provocada pela pandemia, a escassez se agravou em fevereiro com a suspeita de que a fórmula infantil poderia estar relacionada com a morte de dois bebês.

O “decreto de consentimento” para retomar a produção no Michigan também precisa ser revisto por um tribunal federal, depois que o Departamento de Justiça apresentou uma queixa nesta segunda-feira.

Segundo a pasta, a instalação “não cumpriu os regulamentos projetados para garantir a qualidade e a segurança da fórmula infantil, incluindo a proteção contra o risco de contaminação por bactérias”.

“As ações que estamos anunciando hoje ajudarão a aumentar, com segurança, o fornecimento de fórmula infantil para as famílias”, disse o procurador-geral dos EUA, Merrick Garland, em comunicado.



Fonte:G1