EUA liberam reservas de petróleo para conter crise energética

0
10


O presidente americano, Joe Biden, ordenou a liberação de 50 milhões de barris das reservas de petróleo dos Estados Unidos.

O objetivo é conter os preços do petróleo e o déficit do produto no mercado americano.

Mas a decisão deve impactar preços globais e foi tomada em coordenação com outros países que também são grandes consumidores de petróleo.

Por isso, Grã-Bretanha, China, Índia, Japão e Coreia do Sul também estão tomando ações.

A decisão ocorre após Biden ter pedido à Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) que aumentasse a produção global de forma mais rápida. O objetivo seria conter a crise energética que atinge diversas partes do planeta.

Mas a entidade não atendeu ao pedido e preferiu aumentar apenas gradualmente a produção.

Por isso, a Opep teme que uma eventual nova onda da covid-19, aliada ao aumento da produção, possa derrubar os preços do produto.

Crise energética foi deflagrada após retomada econômica

Durante a pandemia, os preços do petróleo chegaram a atingir patamares negativos devido à baixa no consumo.

Mas, com a retomada econômica — com fábricas tentando atender a uma demanda reprimida por produtos —, diversas fontes de energia, como o petróleo, o gás natural e o carvão, não foram suficientes para atender às necessidades do mercado.

Isso gerou uma crise global de energia, que também afetou o Brasil. Isso deflagrou aumentos em série nos preços dos combustíveis, do gás de cozinha e da eletricidade.

A ação de Biden é uma tentativa de baixar os preços dos combustíveis nos Estados Unidos.

Ela ocorre em um momento em que o preço do galão da gasolina chegou a US$ 3,4, o dobro do registrado no ano anterior, e o país sofre com a inflação geral dos preços.

A reserva de petróleo estratégica dos EUA hoje é de 604 milhões de barris. A reserva americana é a maior do mundo. Ela começou a ser estocada a partir da crise do petróleo dos anos de 1970.

O governo britânico também anunciou que liberará para o mercado 1,5 milhão de barris de sua própria reserva estratégica.

Leia também: “O petróleo vai acabar?” 





Fonte: R7