Entregadores de aplicativos e os direitos trabalhistas adquiridos

0
5


Entregadores de aplicativos e os direitos trabalhistas adquiridos A insegurança jurídica dos trabalhadores de entrega por aplicativo sensibilizou a Justiça do Trabalho, que editou uma cartilha para esclarecimento dos seus direitos, esclarece a advogada Beatriz Bocchi, especialista em direito do trabalho da firma Bocchi Advogados Associados.

O TRABALHADOR POR APLICATIVOS TEM DIREITOS?

A notícia da criação da cartilha no site do Tribunal Regional do Trabalho da Segunda Região (TRT2) começou com esta pergunta: o trabalhador por aplicativos tem direitos?

Como são muitas dúvidas e ainda há muita controvérsia sobre o assunto acerca dessas atividades profissionais realizadas por meio de plataformas digitais, a Comissão do Trabalho Decente do TRT2 e Coordenadoria Nacional de Combate às Fraudes nas Relações de Trabalho do Ministério Público do Trabalho publicaram a cartilha.

A CARTILHA

Embora ainda não exista entendimento único sobre o tipo de relação jurídica criada entre os aplicativos e os trabalhadores, explica o Tribunal, não há dúvidas de que as empresas têm muitas responsabilidades. E isso passa pela garantia às normas de saúde e segurança do trabalho, conforme a cartilha demonstra.

O conteúdo da cartilha orienta os entregadores e cidadãos sobre a forma ideal de pedir ajuda ou denunciar aquilo que consideram ser violações a direitos.

ASSUNTOS

A abordagem do conteúdo inicia com uma breve explicação sobre “o que está por trás do trabalho por por aplicativos” e da importância para a sociedade e a distribuição de renda, aliás, enfatiza-se que “todos lucram no sistema de trabalho por aplicativo.”

CATEGORIA PROFISSIONAL

Em qual categoria profissional está o trabalhador por aplicativos?

Como identificar o tipo de aplicativo que o trabalhador está prestando serviços?

Qual é o papel do consumidor na modalidade da contratação desses serviços?

Quais são os direitos trabalhistas?

Essas indagações são tratadas, uma a uma, de forma simples e didática. Vale a pena ler, diz a advogada Beatriz Bocchi.

Fonte: www.bocchiadvogados.com.br

@bocchiadvogados

Whatsapp (16) 99319-134










Fonte: R7