Em carta a presidente do PSDB, Doria cobra respeito a prévias e diz ser alvo de ‘tentativas de golpe’ | Blog Ana Flor

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Pré-candidato do PDSB à Presidência, o ex-governador de São Paulo João Doria enviou uma carta ao presidente do partido, Bruno Araújo, em que sobre o tom ao reafirmar que não vai desistir da candidatura e indica que pode judicializar a situação, caso seja abandonado pela sigla.

Ao blog, João Doria afirmou que não irá abrir mão da candidatura nas eleições presidenciais deste ano.

Em um dos trechos da carta, o ex-governador pede a Bruno Araújo que respeite a vontade dos filiados do partido que participaram das prévias que definiram João Doria como o pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto.

“Solicitamos que você respeite o estatuto do PSDB e a vontade democraticamente manifestada pela ampla maioria dos trinta mil eleitores do nosso partido”, afirma Doria.

Em outro ponto, o ex-governador diz que, antes mesmo das prévias, existia uma “movimentação de parte da cúpula” do PSDB contra ele e que, depois do processo interno, “tentativas de golpe continuaram acontecendo”.

“Qual foi a nossa surpresa ao saber que, apesar de termos vencido legitimamente as prévias, as tentativas de golpe continuaram acontecendo. As desculpas para isso são as mais estapafúrdias, como, por exemplo, a de que estaríamos mal colocados nas pesquisas de opinião pública e com altos índices de rejeição, cinco meses antes do pleito”, afirma o ex-governador no documento, que também é assinado por seu advogado.

No final do documento, João Doria diz que usará de “todas” as suas “forças” para “prevalecer a vontade, democraticamente, manifestada pela imensa maioria dos filiados do PSDB e para que seja respeitada a lisura nos gastos realizados com o fundo partidário”.

Em novembro do ano passado, Doria foi escolhido como pré-candidato do PSDB à Presidência da República ao derrotar o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

Na ocasião, o ex-governador de São Paulo recebeu 53,99% dos votos, enquanto Leite obteve 44,66% e Virgílio, 1,35%.



Fonte:G1