Em 3 meses banco central faz maior aquisição de ouro da história

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Em apenas três meses, o Banco Central do Brasil acabou comprando a maior quantidade de ouro que já foi adquirida pelo menos nas últimas duas décadas. Quando a aquisição foi feita, entre maio e julho de 2021, o Banco Central resolveu negar-se a responder qualquer questionamento feito pela imprensa acerca da aquisição desse metal precioso.

Veja também: Servidores do Banco Central entram em greve e Valores a Receber é adiado

Inclusive, o Banco Central escapou até a Lei de Acesso à Informação quando impediu o sigilo bancário que, em tese, permitiu-lhe carta branca referente às informações de interesse do público.

Nesse sentido, menos com a indisposição acerca da prestação de informações referente a compra por parte da administração do Banco Central, de acordo com os dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), demonstraram que o Banco Central foi o terceiro país no mundo todo que mais comprou ouro no ano de 2021 (no caso o Brasil), ficando somente atrás da Hungria e da Tailândia.

O início das compras começou em 2012, quando o Banco Central comprou cerca de 11,7 toneladas de ouro em sua primeira aquisição, posteriormente, no ano de 2021, em junho, o Banco Central comprou cerca de 41,8 toneladas do metal precioso e em julho acabou comprando mais 8,5 toneladas.

A movimentação do Banco Central foi notada pela primeira vez em 14 julho quando o analista do World Gold Council, Krishan Gopaul, divulgou no Twitter que o Brasil havia comprado 41,8 toneladas de ouro. Pouco se sabe acerca do intuito da compra até então, uma vez que são quantias grandes em barrar de ouro e poucas transações são feitas com esse material.

 

Fonte: R7