Dólar opera em alta com aproximação de reuniões do Fed e do Copom | Economia

0
15


O dólar opera em leve alta nesta nesta sexta-feira (17), com a aproximação das reuniões de política monetária do Federal Reserve (Fed) e do Banco Central do Brasil, na semana que vem, dominando as expectativas dos agentes do mercado.

Às 9h30, a moeda norte-americana subia 0,22%, vendida a R$ 5,2764. Veja mais cotações.

Na quinta-feira, o dólar fechou em alta de 0,55%, a R$ 5,2650, acumula queda de 0,02% na parcial da semana. No mês, tem alta de 1,84%. No ano, a valorização é de 1,50% frente ao real.

Sardenberg analisa o aumento no IOF para custear o novo Bolsa Família

Sardenberg analisa o aumento no IOF para custear o novo Bolsa Família

Na cena doméstica, o presidente Jair Bolsonaro decidiu elevar, até o fim de 2021, a alíquota do IOF –Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários para custear o Auxílio Brasil, programa proposto pelo governo para substituir o Bolsa Família. A alta do IOF valerá para operações de crédito de pessoas físicas e de empresas.

No exterior, os investidores seguem atentos a qualquer sinalização do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) sobre o futuro de seu programa de compra de ativos. Na próxima semana tanto o Fed e o banco central brasileiro decidem suas novas taxas de juros.

Para Lucas Schroeder, diretor de operações da Câmbio Curitiba, o “Fed ainda está bem cauteloso em relação a redução de estímulos”, o que torna baixa a probabilidade de anúncio iminente de corte em suas compras de ativos. Caso essa expectativa de manutenção da política monetária se consolide, a tendência é que países emergentes continuem recebendo fluxo de capital estrangeiro.

O mercado segue de olho também na tensão política e na piora das expectativas para o desempenho da economia brasileira. Parte dos analistas já projetam uma alta do Produto Interno Bruto (PIB) abaixo de 1% no ano que vem em meio a um cenário de inflação mais alta e juros também mais elevados, e de piora da crise hídrica.

Dólar – 16.09.21 — Foto: Economia G1



Fonte:G1