Dólar fecha em queda pela oitava sessão seguida e perde 5,37% na semana | Economia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O dólar recuou nesta sexta-feira (25), engatando a oitava sessão seguida de queda e renovando o menor patamar desde março de 2020, em meio ao constante fluxo de investimentos estrangeiros para o Brasil, que oferece uma taxa de juros atraente.

A moeda norte-americana fechou em queda de 1,77%, cotada a R$ 4,7466. Na mínima da sessão, chegou a R$ 4,7441. Veja mais cotações. É o menor patamar de fechamento desde 11 de março de 2020 (R$ 4,7215).

Com o resultado desta sexta, acumulou queda de 5,37% na semana e já perdeu 7,94% no mês. No ano, tem baixa de 14,86% frente ao real.

O que está mexendo com os mercados?

A alta nos preços das commodities e da energia após a invasão da Ucrânia pela Rússia alimentam os temores de aumento da inflação no mundo todo e provocam preocupações com a desaceleração do crescimento econômico.

Países exportadores de commodities, porém, vistos como menos vulneráveis às tensões geopolíticas, como os da América Latina, incluindo o Brasil, têm se beneficiado da disparada dos preços de várias commodities.

Os juros em patamares elevados no Brasil e o diferencial em relação aos juros nos EUA e outras economias também têm contribuído para o fluxo de dólares para o país e para a valorização do real em 2022. O Brasil possui atualmente a segunda maior taxa de juros reais no mundo, atrás somente da Rússia.

A taxa básica de juros saiu de uma mínima histórica de 2%, atingida durante a pandemia, para os atuais 11,75%. E a taxa deve continuar a subir, atingindo 12,75%, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) em maio, segundo sinalização do Banco Central.

Nos Estados Unidos, país de referência global para investimentos, a taxa básica de juros está numa faixa entre 0,25% e 0,50%, após o Federal Reserve ter promovido aperto de 0,25 ponto percentual na semana passada.

Na agenda do dia, o IBGE divulgou que o IPCA-15, considerado uma prévia da inflação oficial, ficou em 0,95% em março, a maior taxa para o mês desde 2015, puxada pelos preços dos alimentos.

Já a FGV mostrou que a confiança do consumidor voltou a cair em março, com a insatisfação sobre a situação financeira familiar atingindo o menor desde abril de 2016.

Entenda a queda do dólar e a projeção para o futuro



Fonte:G1