Dólar abre a semana em queda | Economia

0
11


O dólar opera em queda nesta segunda-feira (24), com operadores de todo o mundo trabalhando em modo de espera no início de uma semana que contará com dados de inflação dos Estados Unidos, em busca de pistas sobre o destino da política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Às 9h20, a moeda norte-americana recuava 0,23%, cotada a R$ 5,3403, após abrir a sessão em alta. Veja mais cotações.

Na sexta-feira, o dólar fechou em alta de 1,44%, a R$ 5,3527, acumulando avanço semanal de 1,56%. No mês, a queda é de 1,44%. No ano, porém, a alta ainda é de 3,19%.

No exterior, a semana começa com o minério de ferro novamente em queda na China, depois de o governo ter alertado mais uma vez que poderá intervir no mercado para conter o que seria uma “especulação excessiva”. Já os preços do petróleo subiam em meio a potenciais entraves a uma retomada do acordo nuclear de 2015 com o Irã, que poderia aumentar a oferta de petróleo.

No radar os mercados, as atenções seguem voltadas para o ritmo de recuperação da economia dos EUA permanece e para a inflação norte-americana, o que poderia elevar as taxas de juros dos títulos americanos e, por consequência, provocar uma apreciação do dólar frente a outras moedas.

Por aqui, os economistas do mercado financeiro elevaram para 5,24% a estimativa de inflação em 2021 e também passaram a ver um crescimento maior do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, de 3,52%.

A projeção do mercado se aproxima cada vez mais do teto da meta de inflação para o ano: 5,25%.Pelo sistema vigente no país, a meta será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25% em 2021

O mercado manteve em 5,50% ao ano a previsão para a Selic no fim de 2021. Já a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2021 permaneceu em R$ 5,30. Para o fim de 2022, caiu de R$ 5,35 para R$ 5,30 por dólar.

“Os temores de uma terceira onda do coronavírus no Brasil aumentam com a nova Cepa indiana que chegou no Maranhão, mesmo com Ministério da Saúde anunciando restrições em aeroportos, rodoviárias e grandes rodovias”, destacou a equipe da corretora Terra.

Variação do dólar em 2021 — Foto: Economia G1



Fonte: G1