CVC aprimorou a inteligência artificial e hoje alcança bons resultados

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Nos primórdios da pandemia, a CVC, atualmente a maior empresa de turismo no Brasil, precisou utilizar os recursos necessários para conhecer bem o seu cliente.

Ao fazerem uso da inteligência artificial e machine learning, a empresa turística evoluiu e melhorou quanto à coleta de dados e informações de quaisquer que sejam as plataformas de comunicação.

Não há restrições para elaborar um perfil que corresponda às necessidades do cliente, seja a busca no site, orçamentos, aplicativo, viagens que já foram feitas, nível de renda entre outros.

Após este período pandêmico, a busca pela empresa aumentou 10 vezes mais que anteriormente. Aproximadamente nove bilhões de informações estão sendo cruzadas para obter recomendações exatas e personalizadas.

“A cada nova interação que o cliente faz, nós recalculamos a recomendação de destino de forma automática, tornando o processo ainda mais eficaz”, diz Melina Vacopoulos Vidaller, diretoria de clientes da CVC Corp. “A personalização é importante em qualquer negócio, mas no turismo ela se tornou indispensável.”

Com este recolhimento de informações a empresa consegue ter ações certeiras, relacionadas com o que de fato está sendo buscado pelo cliente. Além disso, incentiva o consumidor a se direcionar as lojas físicas após identificar o destino desejado por ele.

Por esse motivo o papel dos consultores é de extrema importância no ramo, pois serão eles que irão fomentar e enriquecer as recomendações aos clientes, reafirmando a assistência completa inerente à marca CVC.

A conclusão é obvia quanto mais à empresa for do cliente, mais satisfeito ele será e corresponderá da melhor maneira. Porém, não foi o único resultado alcançado pela empresa, mas também a contratação.

De acordo com Melina, este modelo de personalização é três vezes mais rápido do que o meio tradicional para auxiliar o cliente em sua escolha. A base da CVC é de 26 milhões de clientes contatáveis – aproximadamente 12% da população do país –.



Fonte: R7