Cosan tem prejuízo de R$ 174,4 milhões no segundo trimestre

0
25



Resultado da companhia foi afetado pela pandemia de coronavírus e pelo movimento cambial. A Cosan reportou nesta segunda-feira prejuízo líquido de R$ 174,4 milhões no segundo trimestre, ante lucro de R$ 418,3 milhões no mesmo período de 2019, impactado pelos efeitos da pandemia do coronavírus e a efeitos cambiais.
O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado caiu 56,5% no comparativo anual, para R$ 517,8 milhões.
Cosan apresenta pedido de registro de IPO da Compass Gás e Energia
A empresa atribuiu a queda à rápida propagação da Covid-19, com intensificação das medidas de isolamento social, que resultaram em queda brusca da demanda e da atividade industrial.
Sem ajuste, o recuo do Ebitda seria de 58,2%, para 590,8 milhões de reais, conforme a empresa.
“O prejuízo do período foi…afetado também pelo efeito da desvalorização do real na parcela não protegida do bônus perpétuo”, afirmou a Cosan.
A geração de caixa proforma (FCFE) totalizou 1,1 bilhão de reais, devido à maior captação de recursos na Comgás e Raízen, parcialmente compensada pelo menor caixa gerado.
A alavancagem mensurada pela relação entre dívida líquida e Ebitda subiu para 2,4 vezes, “em função de menor geração de caixa e contribuição dos resultados operacionais”, acrescentou.
A receita líquida baixou 33,1% no trimestre, para 11,8 bilhões de reais.
Mas a Cosan considerou que a fase mais dura da crise já foi ultrapassada.
“Já notamos recuperação gradual ao longo dos meses em todos nossos negócios, em linha com a flexibilização das medidas de restrição da circulação de pessoas, indicando que o pior parece ter ficado para trás.”
Sucroenergético
O Ebitda ajustado do segundo trimestre – primeiro da safra 2020/21- da Raízen Energia registrou queda de 18%, atingindo R$ 329 milhões.
Raízen em Araraquara
Reprodução/ EPTV
O resultado refletiu menor volume próprio de vendas de açúcar, em linha com a estratégia de venda para o ano-safra, disse a Cosan, explicando que esse efeito foi parcialmente compensado pelos melhores preços e pelo menor custo de produção.
“O clima mais seco do período possibilitou um aumento da concentração de sacarose na cana e crescimento de 5% na moagem, que totalizou 22 milhões de toneladas”, informou.
A produção de açúcar equivalente foi de 2,7 milhões de toneladas, alta de 12%. O mix de produção foi de 54% para o açúcar (versus 49% um ano antes), em linha com o planejamento para o ano-safra, com foco na priorização do adoçante.
Na Raizen Combustíveis, a queda na circulação de pessoas e o cenário decorrente da pandemia levou a um Ebitda ajustado negativo em R$ 213,3 milhões no trimestre.


Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui