Contratações de profissionais entre 40 e 50 anos crescem mais de 200%, mostra levantamento | Concursos e Emprego

0
12


Levantamento da plataforma de tecnologia para recursos humanos Gupy mostra que houve aumento de 217,48% nas contratações de profissionais com idades entre 40 e 50 anos no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado.

Das cerca de 60 mil vagas anunciadas por mês na plataforma no primeiro semestre, 10% dos contratados pelas empresas têm entre 40 e 50 anos.

Os setores que mais geraram empregos para os profissionais dessa faixa etária foram:

  • Serviços: 16,68%
  • Varejo: 16,10%
  • Saúde: 15,06%
  • Telecomunicações: 8,87%
  • Atacado: 6,77%
  • Tecnologia da Informação: 4,74%

Em setores como educação, o crescimento passou de 600% nas contratações dos profissionais mais velhos em comparação ao ano passado.

Veja os setores com maior crescimento nas contratações de profissionais entre 40 e 50 anos:

  • Educação: 658,62%
  • Saúde: 479,90%
  • Siderúrgica: 448,48%
  • Indústria em geral: 351,08%
  • Logística: 350,50%
  • Serviços: 238,37%
  • Telecomunicações: 226,23%
  • Tecnologia da Informação: 176,95%
  • Varejo: 166,49%
  • Bens de consumo: 81,54%

Já as áreas de atuação que geraram mais empregos para esses profissionais no primeiro semestre foram:

  • Operações: 30,14%
  • Serviço ao Cliente: 17,74%
  • Tecnologia: 12,17%
  • Comercial: 11,32%
  • Finanças e Administração: 9,48%

O levantamento mostra ainda crescimento significativo em algumas áreas nas contratações dos profissionais mais velhos em comparação ao ano passado, passando de 1.000% no caso de contabilidade. Veja abaixo:

  • Contabilidade ou Controladoria: 1.261,54%
  • Jurídico: 690%
  • Marketing & Comunicação: 600%
  • Recursos Humanos: 478,26%
  • Operações: 477,16%
  • Serviço ao Cliente: 168,39%
  • Tecnologia: 53,02%
  • Comercial: 293,23%
  • Finanças e Administração: 150,48%
  • Logística: 195,18%

Mariana Dias, CEO e cofundadora da Gupy, observa que é comum relacionar a área de tecnologia com profissionais mais jovens, o que é uma realidade entre os desenvolvedores, mas trata-se de uma área extremamente estratégica para as empresas e que muitas vezes precisa de líderes seniores, o que estimula uma troca de conhecimento e experiências entre as gerações.

“Podemos observar este mesmo cenário nas áreas que tiveram um maior crescimento nas contratações de profissionais nesta faixa etária em comparação com o ano passado, como Jurídico, Contabilidade e Recursos Humanos, pois são áreas que ganharam uma relevância ainda maior dentro das empresas desde o início da pandemia, com destaque para o RH, que precisou lidar com toda a adaptação da empresa ao trabalho remoto e liderar a transformação da empresa para esta nova forma de trabalhar e de contratar colaboradores”, diz.

Analisando apenas as contratações de pessoas entre 40 e 50 anos, os cargos que mais empregaram profissionais dessa faixa etária no primeiro semestre foram:

  • Operador: 36,90%
  • Auxiliar: 17,32%
  • Técnico: 13,02%
  • Analista: 11,7%
  • Especialista: 5,66%
  • Supervisor: 5,21%
  • Consultor: 3,48%
  • Gerente: 3,43%
  • Coordenador: 1,84%
  • Desenvolvedor: 0,63%
  • Diretor: 0,28%
  • Estagiário: 0,26%
  • Trainee: 0,25%

Ao comparar as contratações de profissionais mais velhos com o total de todas as idades, os cargos com maior volume de contratações na faixa de 40 a 50 anos são:

  • Gerente: 18,17%
  • Coordenador: 16,65%
  • Supervisor: 14,74%
  • Técnico: 14,46%
  • Especialista: 12,48%
  • Consultor: 10,31%
  • Operador: 7,45%
  • Auxiliar: 6,42%
  • Analista: 5,76%
  • Diretor: 4,95%
  • Trainee: 4,33%
  • Desenvolvedor: 3,26%
  • Estagiário: 0,42%

Esses últimos dados mostram que os cargos com maior volume de contratações nessa faixa etária são de liderança, como gerência e coordenação, que tiveram um volume menor de vagas em comparação com os cargos de operação.

Mariana Dias destaca ainda o volume de contratações de profissionais entre 40 e 50 anos para vagas de trainee e estágio.

“Algumas empresas estão começando a realizar programas afirmativos para atrair mais diversidade para as suas equipes. É uma tendência que beneficia as empresas, que conseguem aumentar a diversidade e contar com a experiência desses profissionais, que têm a oportunidade de se desenvolver em áreas novas, como tecnologia, e aprender a trabalhar em ambientes mais dinâmicos e inovadores, muito diferentes se comparado à maneira que se trabalhava há 10 anos”, diz.



Fonte:G1