Contas públicas têm rombo de R$ 11,77 bi em fevereiro e dívida sobe para 90% do PIB, novo recorde | Economia

0
12


As contas do setor público consolidado registraram déficit primário de R$ 11,770 bilhões em fevereiro, informou o Banco Central nesta quarta-feira (31). Os dados englobam as contas do governo federal, estados, municípios e empresas estatais.

Isso significa que, no período, as despesas superaram a arrecadação com impostos e contribuições do setor público. A conta não inclui os gastos com o pagamento dos juros da dívida pública.

Apesar de negativo, resultado é melhor que o registrado em fevereiro do ano passado, quando o déficit foi de R$ 20,901 bilhões. Este também foi o melhor resultado para meses de fevereiro desde 2015, ou seja, em seis anos.

Contas do Setor Público

Em R$ bilhões, para meses de fevereiro

Fonte: Banco Central

No mês passado, ainda de acordo com o BC:

  • o governo federal respondeu por um déficit primário de R$ 22,508 bilhões;
  • os estados e municípios apresentaram um resultado positivo (superávit) de R$ 10,526 bilhões;
  • as empresas estatais registraram um superávit primário de R$ 212 milhões.

Parcial do ano e meta fiscal

No acumulado do primeiro bimestre deste ano, ainda segundo o BC, as contas públicas registraram um superávit primário de R$ 46,605 bilhões. O saldo positivo se deve ao bom resultado de janeiro.

Com isso, houve melhora na comparação com o mesmo período do ano passado, quando o saldo positivo somou R$ 35,375 bilhões.

Para este ano, o setor público está autorizado a registrar déficit primário de até R$ 250,89 bilhões.

Em todo o ano passado, por influência da pandemia de Covid-19, o resultado negativo bateu recorde ao somar R$ 702,9 bilhões.

Quando se incorporam os juros da dívida pública na conta – no conceito conhecido no mercado como resultado nominal, utilizado para comparação internacional – houve déficit de R$ 40,966 bilhões nas contas do setor público em fevereiro.

Já em 12 meses até fevereiro deste ano, o resultado ficou negativo (déficit nominal) em R$ 1,008 trilhão, o equivalente a 13,45% do PIB – valor alto para padrões internacionais e economias emergentes.

Esse número é acompanhado com atenção pelas agências de classificação de risco para a definição da nota de crédito dos países, indicador levado em consideração por investidores.

O resultado nominal das contas do setor público sofre impacto do déficit primário elevado, das atuações do BC no câmbio, e dos juros básicos da economia (Selic) fixados pela instituição para conter a inflação. Atualmente, a Selic está em 2,75% ao ano.

Banco Central eleva Selic de 2% para 2,75% ao ano

Banco Central eleva Selic de 2% para 2,75% ao ano

Segundo o BC, as despesas com juros nominais somaram R$ 29,197 bilhões no mês passado e R$ 316,460 bilhões em 12 meses até fevereiro de 2021 (4,22% do PIB).

A dívida bruta do setor público brasileiro, indicador que também é acompanhado com atenção pelas agências de classificação de risco, subiu novamente em fevereiro e bateu novo recorde.

Em dezembro do ano passado, a dívida estava em 88,8% do PIB (valor revisado), somando R$ 6,61 trilhões. Em janeiro deste ano, atingiu 89,4% do PIB, o equivalente a R$ 6,67 trilhões.

Já em fevereiro, subiu para 90% do PIB (R$ 6,74 bilhões), informou o Banco Central, o que é um novo recorde.

Dívida Bruta

% em relação ao PIB

Fonte: Banco Central

O Tesouro Nacional tem avaliado que a dívida pública brasileira, em 90% do PIB, está “muito acima” da média dos países emergentes, que é de 62% do PIB.

A instituição tem pedido continuidade do ajuste das contas públicas, com manutenção do teto de gastos, que limita a maior parte das despesas à variação da inflação do ano anterior.



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui