Conheça mitos e verdades sobre bitcoins | Mercado Bitcoin

0
18


Por ter uma história relativamente recente, o bitcoin é cercado por uma série de mitos. Chegou a hora de derrubá-los.

O jornalista Cauê Fabiano desvenda, em vídeo, o que é (e o que não é) verdade. Abaixo, você também pode esclarecer suas dúvidas sobre a moeda digital:

Bitcoin pode ser hackeado?

Mito. Com 12 anos de existência, a rede bitcoin jamais se tornou alvo de hackers. Isso porque ela combina uma série de camadas de proteção que a tornam praticamente inviolável. Em seus 12 anos de existência, não há registro de falhas nessa rede.

A proteção começa com a blockchain. É essa cadeia de blocos reúne as informações sobre todas as operações com a moeda digital de forma descentralizada, tornando quase impossível que hackers obtenham sucesso. Cada transação é repassada para milhares de computadores em todo o mundo.

Associadas a isso, estão as fortes camadas de criptografia. A rede bitcoin usa a mesma tecnologia das agências do governo norte-americano e dos principais bancos do planeta.

Os governos podem destruir o bitcoin?

Mito. O sistema descentralizado anti-hacker tem uma segunda grande vantagem. Com os dados espalhados por computadores do mundo inteiro, também não há como os governos manipularem os dados.

Nenhuma organização ou país consegue desligar a rede que sustenta o bitcoin. Isso torna a moeda digital independente de bancos centrais ou instituições financeiras.

O bitcoin conta com uma rede que dificulta a lavagem de dinheiro?

Verdade. Um dos grandes responsáveis pela credibilidade do bitcoin é sua transparência. É parcialmente verdadeiro imaginar que as transações com a criptomoeda são anônimas.

A rede bitcoin registra, de forma imutável, todos os endereços usados em cada operação, ficando um rastro para sempre na internet. Isso permite que uma investigação policial, por exemplo, descubra quem está por trás de cada transação.

As corretoras ainda mantêm o registro com a identificação dos clientes, servindo como mais uma camada que inibe a lavagem de dinheiro.

Ao investir em criptomoedas, o meu retorno é garantido?

Mito. O bitcoin e outras moedas digitais são ativos de renda variável. Isso quer dizer que a variação de seu preço se assemelha a produtos como ações de empresas, ouro ou dólar. É a lei da oferta e da procura que determina sua cotação.

Portanto, tome cuidado com as falsas promessas. Desconfie de quem garante ganhos exorbitantes e sem risco: pode ser um golpe utilizando o nome do bitcoin.

É simples comprar criptomoedas?

Verdade. Não existe um mínimo: você pode começar com R$ 50 para entrar na economia digital. Como? Primeiro, faça seu cadastro no Mercado Bitcoin. Você terá acesso a uma plataforma fácil de usar e altamente segura.

Com ela, você poderá transferir reais de sua conta de banco e começar a negociação de bitcoin ou outras criptomoedas. Se você quiser, pode até manter suas criptomoedas na plataforma. Ou, se preferir, também para repassá-las à sua carteira digital (wallet).



Fonte: G1