Confiança aumenta para famílias de todas faixas de renda – Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O ICC (Índice de Confiança do Consumidor) avançou 3,5 pontos, para 79 pontos, em junho, mostram dados divulgados nesta sexta-feira (24) pela FGV (Fundação Getulio Vargas). Na análise trimestral, o índice subiu 1,4 ponto, para 77,7 pontos.


A alta da confiança em junho foi disseminada em todas as faixas de renda, com variação positiva mais forte para os consumidores com nível de renda mais baixo (R$ 2.100 mensais), cujo indicador avançou 4,2 pontos, para 71 pontos. Contudo, isso representa apenas uma recuperação de 45% da queda do mês anterior.


Para Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), apesar de disseminada por todas as faixas de renda, a alta na confiança traz em seus resultados sinais de muita heterogeneidade na percepção dos consumidores.


“Mesmo considerando o pacote de incentivos financeiros, a avaliação sobre a situação no momento pelos consumidores com baixa renda continua piorando enquanto suas perspectivas sobre os próximos meses continuam bastante voláteis, revelando elevada incerteza”, afirma ela.



Já entre consumidores com renda mais alta, a percepção é de melhora da situação financeira, com a elevação das intenções de compras pelo segundo mês, possivelmente efeito do estímulo dado pelo governo federal.


“Essas diferenças entre faixas são corroboradas também pelas perspectivas sobre emprego. Para as faixas mais baixas de renda, o indicador se encontra abaixo do nível neutro e, para as faixas mais altas, supera os 100 pontos, ressaltando a dificuldade que a classe mais baixa vem enfrentando”, analisa Viviane. 


Em junho, a alta do ICC foi influenciada tanto pela melhora da situação atual como das expectativas para os próximos meses. O ISA (Índice de Situação Atual) melhorou 1,3 ponto, para 70,4 pontos, o melhor resultado desde julho de 2021 (70,9 pontos). Já o IE (Índice de Expectativas) avançou 4,9 pontos, para 85,9 pontos, compensando a queda do mês anterior.


Houve melhora da satisfação dos consumidores sobre o momento: o indicador que mede a percepção dos consumidores sobre a situação econômica variou 0,5 ponto, para 76,7. Apesar do ligeiro acréscimo, ele é o melhor resultado desde agosto de 2021 (77,2 pontos). Já o que avalia a situação financeira familiar subiu 2,1 pontos, para 64,7 pontos. Ambos continuam em nível baixo em termos históricos.



Fonte: R7