Com Selic em alta, renda fixa ganha 1,5 milhão de investidores em um ano, aponta B3 | Economia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A dispara da Selic – que passou de de 2% no início de 2021 para os atuais 12,75% – impulsionou a entrada dos investidores pessoa física na renda fixa, segundo dados antecipados ao g1 pela B3. A renda fixa costuma se tornar mais atraente para os investidores em momentos de juros elevados – em especial os investimentos atrelados à própria Selic.

Em 12 meses, esse segmento de investimentos ganhou 1,5 milhão de novos investidores pessoa física, uma alta de 17%, para 10,3 milhões de CPFs. Com a entrada desses investidores, o valor em custódia (valor investido) nesses produtos cresceu 38%, para R$ 1,182 trilhão.

A ‘corrida’ pela renda fixa, no entanto, não tirou investidores da renda variável. Pelo contrário: este último segmento cresceu 44% em número de CPFs na comparação entre os primeiros trimestres de 2021 e 2022, para 4,3 milhões. O valor em custódia, no entanto, teve uma alta bem mais modesta, de 8%, enquanto o volume diário negociado pelas pessoas físicas caiu 34%.

Segundo aponta o estudo feito pela bolsa, uma das conclusões dos dados é que o investidor tem buscado a diversificação do seu portfólio – mais do que ‘fugido’ da renda variável.

“A diversificação dos investimentos tem se intensificado, mesmo durante esse ciclo de alta da taxa de juros”, afirma em nota Felipe Paiva, diretor de Relacionamento com Clientes e Pessoa Física da B3.

Alta da Selic: renda fixa fica mais atraente, mas inflação alta corrói ganhos

Entre os produtos de renda fixa, a quantidade de investidores do Tesouro Direto cresceu 28% entre abril de 2021 e março de 2022, para 1,9 milhão. O valor total em custódia subiu 27% – mas o saldo mediano (saldo por CPF) caiu 13%, para R$ 2,3 mil.

Houve altas expressivas também nos números de investidores em Certificados de Depósitos Bancários (CDBs), de 20%; Certificados de Operações Estruturadas (COEs), de 34%; e de Letras de Crédito Imobiliário (LCIs), de 39%.

“Mas os grandes destaques foram as LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio), que dispararam 111% na quantidade de CPFs e 104% no volume investido”, apontou a B3.

Número de investidores em BDR disparou 532%

Para quem busca a renda variável, no entanto (considerada um investimento de risco maior), os BDRs (sigla para Brazilian Depositary Receipts) têm se mostrado atrativos. Esses papeis, que são recibos de ações de empresas estrangeiras que podem ser adquiridos no Brasil, ganharam 1,2 milhão de novos investidores em 12 meses – quase a totalidade dos 1,3 milhão de novos investidores da renda variável no período, e um crescimento de 532% frente a um ano antes.

No mesmo período, que vai de abril de 2021 a março de 2022, o valor em custódia subiu 76%, para R$ 7,6 bilhões. Mas o saldo mediano investido levou um tombo: passou de R$ 1.893 para R$ 95.

Renda fixa domina entre pessoas físicas

De dezembro de 2020 a março deste ano, o número total de investidores pessoa física cresceu 26%, para 13,3 milhões. Destes, no entanto, 62% possuem apenas títulos de renda fixa – menos, no entanto, que os 68% de 2020.



Fonte:G1