Com péssima repercussão, governo já discute abandonar rolagem de precatórios para novo programa social | Blog Ana Flor

0
26


A repercussão das medidas para financiar o novo programa social do governo, batizado de Renda Cidadã, foi tão ruim no mercado financeiro e no mundo político que assessores próximos do presidente Jair Bolsonaro começaram a defender uma mudança no programa.

O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira (28), após reunião entre o presidente, ministros e lideranças do Congresso. Pouco depois, o dólar chegou a R$ 5,63, mesmo com a atuação do Banco Central. O Risco Brasil subiu 70 pontos-base ao longo da tarde.

Veja as principais declarações sobre o programa de renda básica do Governo Federal

Veja as principais declarações sobre o programa de renda básica do Governo Federal

Para especialistas em contas públicas, a proposta de rolar o pagamento de precatórios – despesa obrigatória do governo – para financiar um novo programa social foi uma ruptura, uma sinalização do abandono do compromisso fiscal.

Há um temor de que o governo “tenha entrado na era das pedaladas”, afirmou um economista com passagem por área econômica do governo.

Governo estuda bancar programa substituto do Bolsa Família deixando de pagar dívidas

Governo estuda bancar programa substituto do Bolsa Família deixando de pagar dívidas

Até mesmo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou nota afirmando que postergar o pagamento de precatórios é inconstitucional.

Segundo relatos ao blog de quem acompanhou as negociações na economia e na política, no governo e no Congresso, a equipe econômica foi confrontada com duas opções: ou os recursos vinham da rolagem dos precatórios, ou a proposta de emenda à Constituição (PEC) iria colocar os R$ 70 bilhões do novo programa fora do teto de gastos.

Fonte de recurso sugerida pelo governo para novo programa social repercute no Congresso

Fonte de recurso sugerida pelo governo para novo programa social repercute no Congresso

O time econômico propôs alternativas: desvincular e desindexar o salário mínimo, acabar com o seguro-defeso e com o abono salarial, por exemplo. As ideias foram rejeitadas por serem impopulares e não passarem no parlamento.

Segundo o próprio senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC Emergencial onde será incluído o Renda Cidadã, não havia outra opção. Mesmo o ministro Paulo Guedes, diz ele, concordou com a alternativa escolhida.

Bittar planejava apresentar o novo texto da PEC até esta quarta (30), mas agora poderá atrasar o texto para angariar apoio e buscar outras fontes de recursos.

Análise: proposta para financiar Renda Cidadã derruba bolsa

Análise: proposta para financiar Renda Cidadã derruba bolsa



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui