Coinbase dispara em sua estreia em Wall Street e é avaliada em mais de US$ 100 bilhões | Economia

0
22


A Coinbase teve uma estreia disparada em Wall Street nesta quarta-feira (14), com as ações chegando a US$ 429 e a empresa acumulando mais de US$ 100 bilhões em valor de mercado. A corretora norte-americana se lançou em Nasdaq com o código COIN.

A oferta pública inicial da Coinbase Global Inc. aconteceu junto com avanços no debate sobre criptomoedas em diversas esferas dos Estados Unidos — até mesmo no Federal Reserve (Banco Central dos EUA).

As moedas digitais estão sendo incorporadas aos planos de negócios e aceitas para pagamento por grandes corporações como Tesla, PayPal e Visa.

A listagem da corretora, sediada em São Francisco, em uma bolsa de valores pública é vista por alguns como um ponto de inflexão para as moedas digitais, já que a fortuna da Coinbase está intimamente ligada ao Bitcoin, a criptomoeda mais popular do mundo.

O preço do bitcoin chegou a US$ 64 mil nesta quarta-feira (14), ante US $ 29 mil no início do ano e a Coinbase disse recentemente que a receita do primeiro trimestre deve totalizar cerca de US$ 1,8 bilhão.

Fundada em 2012, a Coinbase se tornou popular entre os fãs de criptomoedas, ao proporcionar uma maneira mais fácil de trocar ações de Bitcoin e outras moedas digitais.

Ao contrário de muitas empresas de capital aberto, a Coinbase é lucrativa — a empresa estima que teve lucro líquido entre US$ 730 milhões e US$ 800 milhões no primeiro trimestre.

Dan Ives, analista da Wedbush Securities, disse, em nota, que “a Coinbase é uma peça fundamental do ecossistema criptográfico e um barômetro para a crescente adoção do Bitcoin e da criptografia para os próximos anos”.

Ainda assim, mesmo com mais empresas se aquecendo para as moedas digitais, há muitos que duvidam. Até recentemente, as principais instituições financeiras evitavam criptomoedas, e o bitcoin ainda é visto mais como uma reserva de valor do que como um método de pagamento.

Mesmo quando a Coinbase fez sua estreia comercial, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, descreveu as criptomoedas como “veículos para especulação” em comentários ao Clube Econômico de Washington. “Ninguém os está usando para pagamentos, por exemplo, como o dólar.”

E nem todos os investidores estão acreditando no futuro da Coinbase.

David Trainer, CEO da empresa de pesquisa de investimentos New Constructs, disse que a Coinbase tem “pouca ou nenhuma chance de atender às expectativas de lucro futuro que estão embutidas em sua avaliação ridiculamente alta”.

Na semana passada, o Trainer avaliou a Coinbase perto de US$ 18,9 bilhões, argumentando que ela enfrentará mais concorrência à medida que o mercado de criptomoedas amadurecer.

Bitcoin: Saiba o que é e como funciona a mais popular das criptomoedas

Bitcoin: Saiba o que é e como funciona a mais popular das criptomoedas

A Coinbase disse que tinha 56 milhões de usuários verificados em 31 de março, com 6,1 milhões fazendo transações mensais. O volume de negócios no primeiro trimestre foi de US$ 335 milhões.

A Coinbase ganha 0,5% do valor de cada transação que passa por seu sistema. Portanto, se alguém compra US$ 100 em Bitcoin, a Coinbase ganha 50 centavos. Se os preços do bitcoin ou ethereum caírem, as comissões que a Coinbase ganha também caem, dando-lhe alguma exposição à ascensão e queda das moedas digitais.

Em vez de usar um IPO tradicional, a Coinbase tornou-se pública por meio de uma listagem pública. Isso significa que evitou os acordos típicos com grandes bancos que comprariam milhares de ações e as promoveriam. Uma listagem direta permite que insiders e primeiros investidores convertam suas participações na empresa em ações negociadas publicamente.

Outras listagens diretas recentes incluem o serviço de streaming de música Spotify em 2018, o serviço de mensagens Slack em 2019 e a empresa de mineração de dados Palantir Technologies em 2020.

As ações da Coinbase devem atrair investidores que desejam entrar no espaço das criptomoedas além de, ou sem comprar moedas, disse Lule Demmissie, presidente da Ally Invest.

“Também poderia ser um título menos volátil do que as próprias moedas”, diz Demmissie.



Fonte: G1