Cepal prevê queda de 50% do investimento estrangeiro na América Latina em 2020 devido à pandemia | Economia

0
17


Globalmente, os valores de investimento estrangeiro direto devem ter queda de 40% este ano, e até 10% no próximo. Com isso, em 2021 o IED mundial atingirá seu valor mais baixo desde 2005 – e a América Latina e Caribe apresentarão o declínio mais acentuado, apontou a Reuters.

“A América Latina e o Caribe receberam US$ 160,7 bilhões para investimentos estrangeiros diretos em 2019, 7,8% a menos que em 2018, queda que vai se agravar em 2020, já que, em decorrência da crise derivada da pandemia da Covid-19, projeta-se um recuo entre 45% e 55%”, informou a Comissão.

Desde 2012, quando foi alcançado o máximo histórico, a queda dos fluxos de investimento estrangeiro tem sido quase ininterrupta na América Latina e no Caribe, segundo a Cepal.

“O IED recebido pela América Latina e Caribe não catalisou mudanças relevantes na estrutura produtiva da região, em grande parte porque as políticas de atração desses fluxos não foram coordenadas com as de desenvolvimento produtivo”, afirmou a secretária executiva, Alicia Bárcena.

Durante 2019, os ingressos de capital recuaram em 17 países e houve aumento em nove. As cinco economias que mais receberam investimentos foram Brasil (43% do total), México (18%), Colômbia (9%), Chile (7%) e Peru (6%). Mesmo sendo o principal destino do investimento estrangeiro na região, o Brasil também viu cair os ingressos no ano passado.

Veja no gráfico abaixo a variação no IED nos países, em %:

IED cresceu em apenas nove países em 2019 — Foto: Cepal/Reprodução

Quanto ao comportamento das empresas transnacionais latino-americanas, a Cepal mostrou um aumento de 75% na saída de IED da região em 2019. “Porém, se for analisada a década 2010-2019, observa-se que o investimento latino-americano perdeu força”, disse ela.

Grandes economias como Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru foram fortemente impactadas pela disseminação da Covid-19.

Assista as últimas notícias de economia



Fonte: G1