Bovespa opera em forte queda acompanhando exterior | Economia

0
23


A bolsa de valores brasileira, a B3, opera em forte queda nesta quarta-feira (28), contaminado pelo viés negativo nos mercados no exterior, em meio a preocupações crescentes com o aumento de casos de Covid-19 no mundo, bem como a proximidade das eleições nos Estados Unidos.

Às 16h05, o Ibovespa tinha queda de 3,64%, a 95.982. Veja mais cotações.

No Brasil, as atenções também estão voltadas para resultados corporativos. A Gerdau divulgou seu desempenho trimestral nesta manhã e para o final do dia estão previstos balanços de empresas com peso relevante no Ibovespa, como Bradesco, Vale e Petrobras.

Na terça-feira, a bolsa fechou em queda de 1,40%, a 99.605 pontos, voltando a perder o patamar de 100 mil pontos que havia recuperado no dia 20 de outubro. Na parcial do mês, a bolsa ainda acumula alta de 5,29% no mês. No ano, há queda de 13,87%.

Lá fora, o aumento dos casos de coronavírus provocava temores de que novos lockdowns na Europa prejudiquem a recuperação econômica. Pesavam também as incertezas antes das eleições nos EUA.

Na Europa, o índice referencial de ações STOXX 600 caía ao redor de 3%, atingindo o menor nível desde o final de maio.

“Os mercados globais parecem estar incrivelmente nervosos, o misto de alta nos casos de Covid-19 e mortes e o potencial lockdown na França somam-se à incerteza antes das eleições nos EUA e você tem esse pano de fundo bastante fraco”, disse John Woolfitt, diretor de trading do Atlantic Capital Markets.

Entre as commodities, o petróleo recuava após uma elevação de estoques e com o aumento nos casos de coronavírus nos EUA e na Europa, que geraram temores de um excesso de oferta e uma demanda mais fraca por combustíveis.

Segunda onda na Europa: Alemanha e França se preparam para anunciar novas restrições

Segunda onda na Europa: Alemanha e França se preparam para anunciar novas restrições

Por aqui, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anuncia nesta quarta, por volta das 18h, a nova taxa básica de juros. A expectativa do mercado financeiro é que a Selic seja mantida em 2%, mas a comunicação será chave diante do aumento das pressões inflacionárias no curto prazo e das dúvidas crescentes quanto à sustentabilidade das contas públicas.

Preocupações ampliadas com a situação fiscal do país, além da capacidade do governo de avançar numa agenda de reformas continuavam também dominando as atenções dos investidores.

Variação do Ibovespa em 2020 — Foto: G1 Economia

VÍDEOS: Últimas notícias de Economia



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui