BID lança fundo de até US$ 1 bilhão para financiar projetos sustentáveis na Amazônia | Natureza

0
17


O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) anunciou nesta quinta-feira (18) a criação de um fundo para desenvolver projetos sustentáveis na Amazônia. O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, participaram do evento virtual.

De acordo com a instituição, o objetivo do fundo é promover atividades econômicas inclusivas e sustentáveis ​​que estabelecem as bases para uma economia local baseada em ativos florestais, biodiversidade e baixas emissões.

O dinheiro também deverá ser usado para estimular a “bioeconomia” e promover instrumentos financeiros inovadores que atraiam investimentos de forma sustentável para a região amazônica.

O presidente do BID, Mauricio Claver-Carone, informou que o fundo terá dotação inicial de US$ 20 milhões para cooperação técnica e elaboração de projetos. A expectativa é de que o montante a ser emprestado para os projetos sustentáveis na região alcance o patamar de US$ 1 bilhão. “Estamos falando com alguns países europeus que se interessaram”, declarou.

O executivo informou ainda que o fundo é apoiado por sete dos nove países da região amazônica. Ficaram de fora a Guiana Francesa e a Venezuela.

“Responsabilidade climática com crescimento econômico não são conflitivos. Ao contrário, essas políticas agregam o crescimento econômico. Essa é a filosofia dessa iniciativa. Por isso, é importante contar com o apoio governos diversos, com diferentes tendências políticas e ideológicas. Não há conflito entre crescimento econômico e política responsável para o clima”, disse o presidente do BID.

Em agosto, Bolsonaro falou sobre tema em reunião com presidentes da região

Em agosto, Bolsonaro falou sobre tema em reunião com presidentes da região

Até outubro de 2020, outra iniciativa para investir em projetos sustentáveis na região amazônica – o Fundo Amazônia – tinha R$ 2,9 bilhões em recursos paralisados, à espera da solução de um entrave entre o governo brasileiro e os países europeus que aportam a maior parte das verbas.

Um discurso gravado do presidente Jair Bolsonaro foi transmitido no evento virtual de lançamento do fundo. O presidente disse “motivo de orgulho” para o governo que o fundo tenha como uma de suas prioridades o fomento à bioeconomia.

Bolsonaro disse que esse foi o principal pedido feito pelo Brasil ao BID, em 2019, ao propor a criação do instrumento. Para o presidente, o fim do desmatamento ilegal na Amazônia só será possível com o desenvolvimento da região e a melhora de vida da população.

“O desenvolvimento sustentável e o fim do desmatamento ilegal dependem da valorização da economia amazônica e da melhoria da qualidade de vida da população local. Por isso, estamos trabalhando para criar empregos, produtos e serviços que utilizem de modo sustentável os recursos da floresta”, declarou.

Bolsonaro disse que pediu mecanismos de transparência ao BID para evitar desperdício e desvios e que o setor público, na visão dele, é um “ator decisivo no processo de desenvolvimento sustentável da Amazônia”.

O presidente acrescentou que o fundo respeitará prioridades nacionais e interesses soberanos de cada país, mas que não se pode “abrir mão da versatilidade, da inovação e da capacidade de investimento da iniciativa privada”.

Amazônia 1, primeiro satélite 100% brasileiro, chega ao espaço para ser vigilante da floresta

Amazônia 1, primeiro satélite 100% brasileiro, chega ao espaço para ser vigilante da floresta

O ministro Paulo Guedes, por sua vez, afirmou que o intuito original de estabelecer uma plataforma para captação de doações para Amazônia conta com a flexibilidade para captação de recursos do setor privado. “O apoio do banco é bem-vindo para fortalecer essa agenda, o que irá requerer recursos financeiros, conhecimento e capacidade de mobilização dos diversos agentes”, declarou.

Para Guedes, é preciso ampliar as oportunidades da bioeconomia e “desenvolver cadeias produtivas com alto potencial de agregação de valor e melhorar a integração entre o setor produtivo e as instituições de pesquisa e desenvolvimento”.

Por fim, o ministro afirmou que o governo quer “extirpar a mineração ilegal, o desflorestamento e desmatamento ilegais”.

Após registrar, em 2020, o segundo pior ano de desmatamento na Amazônia Legal desde 2015, com um total de 8.426 km², segundo dados Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), os números mostram um recuo dos alertas nos dois primeiros meses deste ano.

DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui