Bento Albuquerque diz que saída do Ministério de Minas e Energia foi decisão ‘de caráter pessoal’ | Política

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O agora ex-ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, disse nesta quarta-feira (11) que a saída dele do cargo foi uma decisão “de caráter pessoal” tomada junto com o presidente Jair Bolsonaro.

A afirmação está em uma pequena nota divulgada pela assessoria do Ministério de Minas e Energia horas depois da publicação da exoneração de Bento Albuquerque.

Para o lugar dele, o governo anunciou Adolfo Sachsida, ex-secretário de Política Econômica e ex-assessor especial de Paulo Guedes no Ministério da Economia.

“O ex-Ministro Bento Albuquerque participa que a decisão de deixar o Ministério de Minas e Energia foi de caráter pessoal e tomada em reunião entre ele e o presidente de forma consensual”, diz a nota do Ministério de Minas e Energia.

“Por fim, participa que agradece a oportunidade e que se orgulha de ter participado do Governo do presidente Bolsonaro que continua a contar com a sua lealdade, respeito e amizade.”

Bento Albuquerque e Adolfo Sachsida — Foto: José Cruz/Agência Brasil; Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A mudança no ministério, entretanto, ocorre após novas críticas de Bolsonaro à política de preços da Petrobras, estatal ligada à pasta.

Em março, igualmente após críticas devido a forte reajuste promovido pela Petrobras, Bolsonaro já havia trocado o presidente da empresa (saiu o general Joaquim Silva e Luna e entrou o executivo José Mauro Coelho).

De acordo com o blog do jornalista Valdo Cruz, a troca no comando do Ministério de Minas e Energia é mais uma tentativa do presidente Jair Bolsonaro de tentar se livrar do desgaste político causado pelo aumento nos preços dos combustíveis.

Apesar das criticas, é Bolsonaro o responsável por nomear quem comanda a Petrobras, já que a União é acionista controladora da empresa.

Quem é Bento Albuquerque?

Bento Albuquerque estava no ministério desde o início do governo Bolsonaro. Ele foi indicado ainda durante o governo de transição, no fim de novembro de 2018.

Na época, ocupava o cargo de diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, ocasião em que esteve à frente do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e do Programa Nuclear da Marinha (PNM), os principais Programas Estratégicos da Marinha. Foi o único integrante da Marinha indicado ministro do governo.

Albuquerque é almirante de esquadra da Marinha, cargo equivalente ao de general do Exército. Iniciou a carreira militar em 1973, como Oficial submarinista.

VÍDEOS: notícias de política



Fonte:G1