Batalha à vista entre Amazon e descendentes dos primeiros sul-africanos | Tecnologia

0
9


A Amazon quer instalar sua sede africana na Cidade do Cabo, um investimento de vários milhões de dólares com a promessa de criar milhares de empregos. Contudo, o local escolhido é considerado sagrado para os Khoi e San, primeiros habitantes do extremo sul do continente.

A construção de um complexo residencial de nove andares, onde ficarão os escritórios da gigante americana, que ocuparão 70 mil m², foi aprovada no mês passado pelo município. A área é localizada em um ambiente verde às margens do rio.

Alguns descendentes dos primeiros habitantes da região, os povos Khoi e San, acusam o projeto de profanar suas terras ancestrais e defendem a importância cultural e ambiental do local.

“Nosso patrimônio será completamente destruído”, explica à AFP Aran Goringhaicona.

“Este lugar tem um grande significado espiritual para nós”, acrescenta o chefe tradicional, à frente de um grupo que se opõe ao projeto.

Junto com um grupo de moradores organizados, a Observatory Civic Association (OCA), escreveram esta semana para o promotor do projeto, Liesbeek Leisure Properties Trust (LLPT), para avisá-lo de sua intenção de contestar a iniciativa na Justiça.

Levando em consideração os problemas de enchentes, mas também de seca crônica na Cidade do Cabo, os opositores questionam a rapidez e a validade das aprovações ambientais assinadas pela prefeitura, explica Leslie London, presidente da OCA.

O município afirma que o risco de inundação é “mínimo”. A Amazon não quis comentar à AFP.

Pequeno grupo de opositores

Para os descendentes dos habitantes originários deste canto do mundo, o local representa sua luta contra as potências coloniais.

A primeira dessas batalhas, em 1510, viu os Khoi defenderem o território contra os portugueses.

Mais recentemente, o local foi protegido por uma designação patrimonial provisória de dois anos, que expirou em abril de 2020, de acordo com a cidade.

Para homenagear esse patrimônio, o desenvolvedor promete construir um centro cultural administrado por grupos indígenas, que inclui uma horta medicinal, uma trilha para caminhadas e um anfiteatro a céu aberto.

Alguns grupos veem uma vitória: “Esses planos colocam as primeiras nações sul-africanas no centro do projeto, bem em frente a esse prédio de que todos falam, o prédio da Amazon”, comemorou Garu Zenzile Khoisan, que lidera um coletivo de vários clãs.

Tanto este grupo como o promotor do projeto disseram à AFP que a proposta foi aprovada pela maioria dos povos indígenas da província.

“É, portanto, surpreendente que um pequeno grupo de opositores – que procuram trabalhar por melhores oportunidades de habitação, por uma celebração mais respeitosa do patrimônio local e por melhorias ambientais sustentáveis – não apoie os nossos planos”, disse o LLPT à AFP.

Os opositores, incluindo Goringhaicona, denunciam, no entanto, uma vontade de dividir para reinar melhor e, assim, ignorar as opiniões diferentes.

A prefeitura enfatiza a geração de empregos, enquanto o desemprego atingiu 29% no final de 2020.

O projeto prevê mais de 5.000 empregos durante a construção e depois cerca de 860 na gestão, segundo LLPT.

“Ocupar o solo sagrado de alguém e construir sobre ele sob o pretexto de criar trabalho é um pouco distorcido”, estima Tauriq Jenkins, do conselho de Goringhaicona.

“Eles vão fornecer empregos para os Khoi San, pedindo-lhes que desenterrem os túmulos de seus ancestrais?”, pergunta.



Fonte: G1