Após protestos de trabalhadores, Americanas reitera que ‘não iniciou nenhum processo de demissão’


Ao dizer que o plano de recuperação será responsável por definir as ações daqui para frente, a empresa reconhece, contudo, que ‘reestruturações’ podem ser feitas. Foto de 13 de janeiro de 2023 de unidade das Lojas Americanas no Centro do Rio de Janeiro
Mauro Pimentel/AFP
Depois de um protesto encabeçado por sindicatos e trabalhadores da Americanas, nesta sexta-feira (3), no Rio de Janeiro, a empresa reiterou que não deu início, até o momento, a nenhum processo de demissão de funcionários.
A varejista afirmou novamente que, desde que pediu recuperação judicial, só interrompeu alguns contratos de fornecedoras de serviços terceirizados.
LEIA TAMBÉM:
Americanas: veja a cronologia do caso, das ‘inconsistências contábeis’ à recuperação judicial
QUIZ: Você sabe quanto de imposto você paga em um dia?
Contratações de profissionais trans crescem 40% em 2022, mostra levantamento
“A Americanas atua nesse momento na condução de seu processo de recuperação judicial, cujo objetivo é garantir a continuidade das atividades da empresa, incluindo o pagamento dos salários e benefícios de seus funcionários em dia”, afirmou, em nota, a companhia.
Ao dizer que o plano de recuperação será responsável por definir as ações daqui para frente, a empresa reconhece, contudo, que “reestruturações” podem ser feitas.
“Como parte do processo, [a empresa] acredita que pode haver reestruturações, mas reitera que manterá o canal de comunicação aberto com todos os seus colaboradores e públicos de interesse e seu compromisso com todas as obrigações trabalhistas.”
Na nota, a Americanas alega que mantém relacionamento próximo com os sindicatos “e segue comprometida com um diálogo produtivo e recorrente sobre questões trabalhistas”.

Fonte: Portal G1