Após pedir exoneração, presidente do IBGE se despede por carta | Economia

0
18


A presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, despediu-se dos funcionários do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (8) por meio de uma carta. O IBGE havia informado que ela seguiria no cargo até a transição para um novo presidente, mas a economista afirmou que esta sexta (9) é seu último dia à frente do órgão, que ainda não tem sucessor escolhido para o cargo.

A economista pediu demissão após o Congresso reduzir a verba do Censo, que estava previsto para acontecer este ano, a R$ 71 milhões, inviabilizando o levantamento.

Na carta, Susa discorreu sobre seu trabalho à frente do instituto durante dois anos e dois meses.

“O IBGE é uma verdadeira joia no serviço público brasileiro, uma instituição da qual todos devemos nos orgulhar, como cidadãos brasileiros, a cada dia de nossas vidas”.

O IBGE cancelou prova para contratar 200 mil recenseadores e agentes necessários para visitar os mais de 70 milhões de domicílios brasileiros.

Na carta, ela ressaltou a importância da realização do censo. “Mais do que nunca será fundamental para o futuro do Brasil”.

Indicada pelo ministro Paulo Guedes para o cargo, Susana não recebeu apoio público do Ministério quando o relator do Orçamento, senador Marcio Bittar (MDB-AC), reduziu em 96% a verba para o Censo.

Susana disse aos funcionários que deixou as bases para a realização do Censo, que serve de direção para todas as pesquisas domiciliares amostrais, que precisam ser atualizadas a cada dez anos, para retratar com fidelidade as características da população brasileira.

“Tenho a convicção de que conseguimos lançar bases sólidas para que a operação censitária seja implementada. O próximo Censo terá, como lastro, o aprendizado e os avanços técnicos viabilizados nos últimos meses, mas também se apoiará na expertise e na experiência construídas pelos ibgeanos ao longo de décadas”, diz a carta.

A economista também ressaltou as pesquisas Pnad Covid-19, que divulgaram resultados semanais sobre o impacto da quarentena no mercado de trabalho, o afastamento dos trabalhadores, e o acesso ao auxílio emergencial.

Susana é funcionária do Banco Mundial cedida ao governo brasileiro e ainda não decidiu se retomará ao cargo anterior.

Leia a íntegra da carta enviada ao funcionários:

No dia 26 de março de 2021, com muito pesar, anunciei que, por motivos pessoais e familiares, deixarei o cargo de presidente do IBGE. Meu último dia oficial à frente do Instituto será sexta-feira, 9 de abril.

Nos últimos dois anos, servir nesta função tem sido uma honra extraordinária, tanto pessoal quanto profissionalmente. Com espírito de gratidão, gostaria de compartilhar minha avaliação sobre as conquistas alcançadas pelo IBGE nestes tempos tão desafiadores, não sem antes congratular a todos pelo trabalho e engajamento, cuja excelência é marca registrada do corpo técnico do IBGE.

Como todos sabem, o IBGE – e o país – enfrentaram desafios significativos nos últimos dois anos. Cheguei à Presidência do instituto a apenas 17 meses do início do Censo Demográfico 2020, nosso maior e mais complexo projeto institucional. Contudo, fomos todos surpreendidos pelo advento de uma pandemia que alterou nosso planejamento inicial e nos impôs uma série de desafios, dentre eles repensar a forma como coletamos os dados e formular instrumentos inovadores para mensurar o impacto da pandemia na economia e na sociedade brasileira.

Devo dizer que estou muito orgulhosa de como o IBGE se posicionou para enfrentar esse desafio sem precedentes. Os talentosos e dedicados ibgeanos honraram a tradição de 85 anos de excelência do Instituto, superando barreiras e gerando as mais produtivas soluções. Apesar da pandemia, podemos enaltecer o fato de que, nos últimos 13 meses, o IBGE manteve toda sua produção estatística, sem nenhuma interrupção.

Para alcançar esse resultado, nos ancoramos estrategicamente em seis linhas principais de ação, que envolveram tanto o impulsionamento de processos já em andamento na casa quanto a realização de esforços disruptivos, com o objetivo de acelerar o processo de modernização do IBGE, em especial no que tange à coleta de dados.

A primeira linha de ação estruturante foi a migração imediata de cerca de 10.000 funcionários para uma plataforma de trabalho remota, uma escala nunca antes experimentada pela instituição. Em um período de cinco semanas, concluímos a transição para o modelo de trabalho remoto, alicerçado em fluxos e processos de trabalho automatizados, implantação da assinatura eletrônica e adesão ao SEI.

Segundo, e concomitante, impulsionamos o uso e a absorção de novas tecnologias e ferramentas no uso, processamento e análise de dados. Buscamos potencializar o uso de ferramentas tecnológicas na coleta de dados e, ao mesmo tempo, intensificar o uso de registros administrativos nas pesquisas regulares. Ferramentas e recursos como webscraping, big data e pareamento de bases de dados são grandes exemplos de áreas em que foram verificados significativos avanços para manutenção da produção estatística e geocientífica na pandemia.

Nesse contexto, a parceria firmada com a Receita Federal, com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento, foi um marco histórico na agenda do uso de registros administrativos do país. As parcerias também firmadas com o Ministério da Saúde, Ministério da Cidadania e Ministério da Justiça, entre outras, são emblemáticas desse avanço, de forma significativa, no papel do IBGE como coordenador de fato do sistema estatístico nacional.

Terceiro, tornamos a comunicação interna mais fluida e frequente, fortalecendo nosso intercâmbio de informações durante a pandemia. Essa iniciativa foi fundamental para a integração das diferentes áreas do IBGE. Criamos novos fóruns virtuais (com uma média de 200 membros em cada estado quase toda semana), servindo como instâncias de intercâmbio em tempo real entre as diretorias e a rede de coleta. Essa iniciativa se mostrou uma ferramenta eficaz para curtos “loops” de feedback entre as equipes e identificação de oportunidades de melhoria, em meio às muitas adversidades que enfrentamos na coleta.

A quarta linha de ação envolveu a implementação das primeiras pesquisas de pulso na história do IBGE, que tinham como principal objetivo capturar, em tempo hábil, os impactos da pandemia na economia nacional. A PNAD COVID-19 acompanhou a evolução do mercado de trabalho e os impactos na saúde da população, com divulgações mensais e semanais. Já a pesquisa Pulso Empresa, com divulgação quinzenal, coletou informações sobre o desempenho das empresas nesse cenário de adversidade. Essas pesquisas se tornaram modelos internacionais, com reconhecimento de instituições multilaterais, e o convite inédito para que o IBGE, representando o Brasil, participasse do 8º Fórum Anual de Estatística do Fundo Monetário Internacional como palestrante, em um painel junto a outros países que enfrentaram, com sucesso, a geração de estatísticas durante a pandemia.

Na quinta linha de ação, enfrentamos o desafio de desenvolver e alavancar um modelo de capacitação à distância, com ações adaptativas e inovadoras na estratégia de capacitação organizacional e com a nossa Escola Nacional de Ciências Estatísticas, a ENCE, funcionando integralmente em plataforma virtual. Sob este modelo, milhares de funcionários foram treinados simultaneamente em um curto período de tempo, especialmente os profissionais que viriam a atuar nas pesquisas de pulso. Esta plataforma foi estruturante ao tornar viável a condução de todas as demais ações.

Por último, mas não menos importante, trabalhamos para melhorar a acessibilidade dos diferentes tipos de usuários – desde os formuladores de políticas até os cidadãos – às informações produzidas e coordenadas pelo IBGE. O Hotsite COVID-19 foi concebido com o propósito de centralizar todos os dados em produção relacionados à COVID, de forma a tornar a experiência do usuário mais interativa, principalmente por meio de painéis.

Pensando adiante, o IBGE precisará realizar o Censo Demográfico, operação que mais do que nunca será fundamental para o futuro do Brasil. O Censo funciona como uma plataforma de inteligência que viabiliza e aprimora a tomada de decisões de políticas públicas nos 5.570 municípios do país. A importância do Censo é reafirmada pelo próprio contexto de pandemia, que coloca ao país uma ampla gama de profundos desafios. O Censo é crítico nesse processo, uma vez que só ele será capaz de revelar, com precisão, essa realidade, subsidiando assim a tomada de decisões e a formulação de políticas públicas.

Tenho a convicção de que conseguimos lançar bases sólidas para que a operação censitária seja implementada. O próximo Censo terá, como lastro, o aprendizado e os avanços técnicos viabilizados nos últimos meses, mas também se apoiará na expertise e na experiência construídas pelos ibgeanos ao longo de décadas.

Podemos apontar três sólidos pilares para a realização do próximo Censo. O primeiro é que a operação contará com um modelo misto de coleta, incluindo entrevistas presenciais, telefônicas e online. O segundo pilar é a tecnologia de fronteira a ser aplicada na supervisão e no monitoramento, em tempo real, da operação censitária, fortalecendo a cobertura e a qualidade da operação como um todo. O terceiro pilar, a execução da operação, se baseará em um amplo “benchmarking” nacional e internacional, que inclui as melhores práticas de adoção de protocolos de saúde e segurança para coleta de dados, fornecendo diretrizes claras para os entrevistadores e entrevistados. Todos esses trabalhos já foram encaminhados através de nossa experiência recente e em acordos de cooperação técnica com outras instituições de ponta.

Gostaria de concluir esta carta agradecendo a todos os ibgeanos que, nesses últimos dois anos, dedicaram-se de forma extraordinária para que, juntos, pudéssemos enfrentar com técnica, profissionalismo, galhardia, e serenidade os desafios que nos foram impostos. O talento, o trabalho árduo e a resiliência dos ibgeanos foram e continuarão sendo fundamentais nesta trajetória. Foi um grande privilégio e uma grande honra ter servido a este Instituto singular. O IBGE é uma verdadeira joia no serviço público brasileiro, uma instituição da qual todos devemos nos orgulhar, como cidadãos brasileiros, a cada dia de nossas vidas.

Com profundo respeito e gratidão,



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui