Anatel pode fazer leilão de sobras do 5G em seis meses ou um ano, diz ministro das Comunicações | Economia

0
10


Seria uma nova licitação para ofertar os lotes que não foram arrematados no leilão que aconteceu nos dias 4 e 5 de novembro e que movimentou R$ 47,2 bilhões. Cerca de 15% dos lotes oferecidos não foram arrematados, quase a totalidade pertencente à faixa de 26 gigahertz (GHz).

O leilão do 5G ofereceu lotes nacionais e regionais de quatro faixas de frequência: 700 megahertz (MHz), 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHZ. A faixa de 26 GHz é considerada a faixa mais nova, de onda milimétricas, em que os modelos de negócio para essa frequência ainda estão em desenvolvimento no mundo.

“Oitenta e cinco por cento das faixas [lotes] foram vendidas. Temos ainda 15% das faixas [lotes] para vender, já autorizadas pela Anatel e pelo Tribunal de Contas da União, até porque a faixa de 26 giga é uma faixa nova, que ainda não tem modelos de negócio ainda em curso, mas acredito que logo mais, seis meses ou um ano, a Anatel possa estar realizando os 15% que nós temos ainda para realizar nesse leilão”, afirmou Faria durante audiência na Comissão de Infraestrutura do Senado.

A Anatel entende que, como o edital do leilão do 5G já foi aprovado pelo TCU, um leilão de sobras pode ser feito rapidamente, sem precisar passar pela análise do tribunal novamente, o que costuma tomar alguns meses.

Termina leilão do 5G

Termina leilão do 5G

Em caso de um leilão de sobras dos lotes da faixa de 26 GHz, Faria lembrou que o valor a ser arrecadado seria transformado em compromissos de investimentos para conectar escolas públicas de educação básica.

O leilão do 5G em si já garantiu R$ 3,1 bilhões para o projeto de conectividade das escolas, valor que ficou abaixo dos R$ 7,6 bilhões esperados caso todos os lotes da faixa de 26GHz fossem arrematados pelo preço mínimo.

“Todas as obrigações e multas do espectro de 26 GHz já foram [direcionadas] para [a conectividade das] as escolas. Já foram 3,1 bilhões de reais, mais o que virá após essa venda desse 15% restante do espectro”, explicou o ministro.

A contrapartida de levar internet de alta velocidade às escolas públicas de educação básica foi incluída no edital após determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), e atendeu a um pedido da frente parlamentar de educação do Congresso.

VÍDEOS: veja mais notícias de economia



Fonte:G1