Agropecuária: governo leva à COP meta de reduzir emissões em 1,1 bi de t; é ‘para inglês ver’, diz ONG | Meio Ambiente

0
19


O governo pretende apresentar na Conferência do Clima em Glasgow (Escócia), a COP26, que começa dia 31, a meta de reduzir em até 1,1 bilhão de toneladas a emissão de carbono pelo setor agropecuário até 2030. Para a entidade ambientalista Greenpeace, a meta é “para inglês ver” (leia mais abaixo).

Segundo dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima, as atividades rurais (agropecuária e uso da terra) foram responsáveis em 2019 pela emissão de 1,56 bilhão de toneladas (72% do total) dos 2,17 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa emitidos pelo Brasil em 2019.

EMISSÕES DE CARBONO PELA ATIVIDADE RURAL

(agropecuária + uso da terra, em bilhões de toneladas)

Fonte: Observatório do Clima e Ministério da Agricultura

A meta de redução de 1,1 bilhão de toneladas até 2030 estabelecida pelo Ministério da Agricultura faz parte do Plano de Adaptação à Mudança do Clima e Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária (ABC+).

O novo plano será apresentado pelo governo durante o evento numa tentativa de defender a imagem da agropecuária brasileira no exterior.

“No próximo dia 6 de novembro, iremos apresentar o ABC+ na Conferência do Clima em Glasgow. (…) Iremos demonstrar todo o potencial da agropecuária brasileira como parte da solução e oferecer nossa experiência àqueles países de realidades semelhantes, com um chamamento à colaboração dos países industrializados por meio da cooperação internacional”, disse a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Empresários pedem que o Brasil apoie a regulamentação dos créditos de carbono na COP-26

Empresários pedem que o Brasil apoie a regulamentação dos créditos de carbono na COP-26

Para a coordenadora de Clima e Justiça do Greenpeace Brasil, Fabiana Alves, o Plano ABC+ é “para inglês ver” e não condiz com a política ambiental do governo.

“Um plano para inglês ver, na véspera da COP26. Não é o que eles estão fazendo o ano todo, não é o que estão votando e apoiando no Congresso. Hoje, o que a gente tem é uma flexibilização de toda a legislação ambiental brasileira. (…) As metas não condizem com a política que está sendo feita pelo governo, uma política de desmonte ambiental no Brasil”, afirmou a coordenadora do Greenpeace.

Emissão de gases do efeito estufa cresce entre países do G20, aponta relatório

Emissão de gases do efeito estufa cresce entre países do G20, aponta relatório

O ABC+ é uma continuidade do projeto que esteve em vigor entre 2010 e 2020, conhecido como Plano ABC. O objetivo, de acordo com o Ministério da Agricultura, é promover uma agropecuária de baixa emissão de carbono e contribuir com a preservação do meio ambiente.

O programa já tinha sido anunciado pelo Ministério da Agricultura em abril, mas a divulgação das metas foi realizada na segunda-feira (18).

Para se atingir as metas, o plano propõe que os próprios agricultores adotem práticas mais sustentáveis, como a recuperação de pastagens degradadas; o sistema de plantio direto; os bioinsumos e o manejo de resíduos da produção animal.

Só que a implementação dessas medidas fica a cargo do próprio produtor, que pode recorrer ao Plano Safra para financiar as mudanças na propriedade.

A última edição do Plano Safra trouxe uma linha de crédito voltada ao Plano ABC, com R$ 5 bilhões em recursos, oferecidos aos produtores com juros menores que os de mercado.

Sobre a estimativa de recursos que serão destinados ao ABC+ no próximo Plano Safra, o Ministério da Agricultura respondeu que “os valores para o próximo período são definidos a cada ano”.

Além de incentivar a redução da emissão de carbono equivalente até o final da década, o plano também prevê:

  • aumentar a área em que tecnologias de produção sustentável são utilizadas. O objetivo é que mais 72,68 milhões de hectares adotem alguma das práticas para reduzir o carbono;
  • ampliar o tratamento de 208,4 milhões de metros³ de resíduos animais. O volume corresponde a 27% do total de resíduos gerados por sistemas de produção pecuários;
  • abater 5 milhões de cabeças de gado em terminação intensiva. Essa tecnologia permite que, a partir de suplementação da dieta do bovino com ração, o animal atinja idade e peso para abate antecipadamente, reduzindo a quantidade de gás poluente que seria emitida pelo animal.

Durante o anúncio do projeto, o ministro de Meio Ambiente, Joaquim Leite, afirmou que um programa voltado ao crescimento verde também será apresentado pelo Brasil durante a conferência, mas ele não chegou a fornecer detalhes do projeto.

O lançamento do programa está marcado para a próxima segunda-feira (25), em cerimônia no Palácio do Planalto.



Fonte: G1