Ação da Infracommerce estende queda na B3; BTG vê reação a novo plano de incentivo a executivos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) – As ações da plataforma de comércio eletrônico Infracommerce estendiam queda nesta segunda-feira, à medida que o mercado avaliava um novo programa de incentivo a executivos da companhia.

Às 14h51, os papéis caíam 8%, para 10,24 reais, após queda de 8,7% na sexta-feira. A ação acumulava seis sessões de baixa consecutivas. O papel não faz parte do Ibovespa, que no mesmo horário tinha recuo de 0,82%.

A Infracommerce divulgou no final de março edital para assembleia de acionistas a ser realizada em 28 de abril. No documento, consta entre outras pautas a deliberação de um novo plano de opções de ações. Esses planos são comuns no mercado e costumam ser utilizados para atrair e manter executivos nas empresas.

Porém, analistas do BTG Pactual escreveram em relatório divulgado nesta segunda-feira que o anúncio “chocou” investidores e afetou o desempenho da ação na sexta-feira. O banco não cita os outros pregões de baixa. Na quinta-feira à noite, o edital da assembleia foi reapresentado pela Infracommerce.

Segundo o BTG, a reação negativa do mercado deve-se ao fato de que a companhia já havia, na época de seu IPO, no primeiro semestre de 2021, sido questionada por investidores por causa de um plano de opções anterior.

“O plano original de opções de ações da Infracommerce, que veio à público na época do IPO, despertou debates acalorados entre investidores na ocasião”, escreveram os analistas do BTG Carlos Sequeira e Osni Carfi no relatório divulgado nesta segunda-feira.

Esse plano anterior, segundo o prospecto da oferta, está limitado a cerca de 37,6 milhões de opções, que, segundo o BTG, representavam 20,5% da companhia antes da listagem.

“No primeiro plano, não só a diluição implícita era grande, mas a maioria das opções podia ser exercida em um período relativamente rápido e o preço da opção era bem menor que o do IPO”, escreveu o BTG, observando que a companhia justificava o preço abaixo nessa comparação por se tratar de um plano criado anos atrás.

Já o novo plano envolve até aproximadamente 14,1 milhões de ações, ou 5% do capital social da companhia, com possibilidade de adição de mais 1,7 milhão de ações por causa de obrigações assumidas na aquisição da Synapcom. As opções serão dividas em dois programas, com características distintas.

O BTG avalia o novo o programa como “em geral, em linha com as práticas de outras companhias listadas”, mas diz que “dada a generosidade e o tamanho do primeiro plano, investidores estão surpresos de ver outro plano de opções de ações sendo anunciado menos de um ano após o IPO”.

O relatório do banco ainda diz que o primeiro plano envolveu não apenas executivos que estavam na companhia na época, mas também alguns que juntaram-se à empresa ao longo dos anos, envolvendo até casos de adições em 2021.

“Dito isso, a proposta de gestão de um novo plano de opções pode estar antecipando a necessidade de criar os incentivos adequados para atrair novos talentos e reter estrelas em ascensão dentro da empresa, especialmente se o primeiro plano estiver concentrado em alguns executivos”, completa o banco.

Procurada, a Infracommerce não se manifestou de imediato.









Fonte: Mix Vale