2 americanos admitem pela 1ª vez ter ajudado Carlos Ghosn a fugir do Japão | Mundo

0
23


Os americanos Michael e Peter Taylor, pai e filho, admitiram nesta segunda-feira (14) pela primeira vez em um tribunal de Tóquio que esconderam o brasileiro Carlos Ghosn, ex-CEO da Renault-Nissan, em uma caixa de equipamento de som para ajudá-lo a fugir do Japão para o Líbano.

Michael e seu filho Peter Taylor admitiram no início do julgamento as acusações apresentadas pela promotoria japonesa. Ao lado de George-Antoine Zayek, um libanês que segue foragido (foto acima), os Taylor são acusados de orquestrar a fuga.

Pai e filho podem ser condenados a até três anos de prisão caso sejam condenados. Eles foram detidos pela Justiça americana em maio de 2020, com base em uma ordem de prisão japonesa, e extraditados dos Estados Unidos para o Japão em março deste ano.

Michael, de 60 anos, e Peter, de 28, chegaram a recorrer até à Suprema Corte dos EUA para evitar a extradição, alegando que poderiam enfrentar condições similares à tortura. Michael é um veterano do exército americano e ex-membro das forças especiais do país.

Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan, durante entrevista coletiva em 29 de setembro de 2020 — Foto: Hussein Malla/AP

Carlos Ghosn tem nacionalidade brasileira, libanesa e francesa e havia sido detido em 2018 em Tóquio por acusações de irregularidades financeiras.

O brasileiro estava em liberdade condicional e aguardava o julgamento quando conseguiu escapar das autoridades japonesas e embarcar em um avião privado para o Líbano, que não tem tratado de extradição com o Japão, dentro de uma caixa de instrumento musical.

Veja no vídeo abaixo a 1ª vez que Carlos Ghosn falou sobre a fuga do Japão:

Carlos Ghosn, ex-executivo da Nissan-Renault, fala pela 1ª vez após fuga para Líbano

Carlos Ghosn, ex-executivo da Nissan-Renault, fala pela 1ª vez após fuga para Líbano

Ele segue no Líbano desde a fuga, em dezembro de 2019, e na semana passada foi interrogado por investigadores franceses por uma série de acusações de irregularidades financeiras.

US$ 1,3 milhão para a fuga

O televisão japonesa NHK diz que Peter recebeu US$ 1,3 milhão (cerca de R$ 6,6 milhões) de Ghosn para ajudar na fuga.

Segundo o jornal Asahi Shimbun, pai e filho afirmaram que gastaram a maior parte do dinheiro nos preparativos da fuga, incluindo o custo do avião fretado, e não receberam pagamento pela ajuda.

VÍDEOS: as últimas notícias internacionais



Fonte:G1