Cristiane Fernandes: interdição do Hospital da Mulher é tragédia anunciada

0
207

A empresária e gestora pública, Cristiane Fernandes, que concorreu às eleições suplementares do ano passado, que elegeram o Dr. Adriano Moreno (REDE), usou o Facebook para falar sobre a interdição do Hospital da Mulher. Cristiane foi a única mulher a disputar a Prefeitura da cidade e a primeira a alertar a população para o risco de escolher políticos “amadores e oportunistas”. Nas eleições de 2016, ela foi vice na chapa de Adriano Moreno. Depois que Marquinho Mendes caiu por decisão da Justiça Eleitoral, foi preterida da disputa às vésperas do registro da candidatura pelo grupo do atual prefeito, e quase não pode concorrer.

Cristiane vem denunciando o sucateamento da máquina pública desde a primeira campanha e também agora durante o primeiro ano do governo Adriano Moreno. “Estou sempre em contato com os profissionais da área. Faltam insumos básicos em todas as unidades. No Hospital do Jardim Esperança, no São José Operário, nas UPAS dos dois distritos e no Hospital de Tamoios”, disse. Formada em Administração pela UFF e especialista em gestão pública pela FESP/RJ, Cristiane também pontuou que o problema é justamente a falta de planejamento e gestão, porém, denunciou: “mais do que isso é falta de amor ao próximo”. Ela lembrou o caso da denúncia recente dos R$ 40 milhões “desviados da educação” feita pelo ex-secretário Claudio Leitão e traçou um paralelo entre as duas situações:

“Aquele que não ama ao próximo, que não está imbuído do espírito de servir, como é o caso dos atuais gestores públicos de Cabo Frio, não vai se importar com as vidas das pessoas, muito menos com o futuro das crianças. Não é tempo de ninguém se vangloriar, achando que vai colher benefícios políticos com mais essa triste manchete de nossa cidade porque, nesse caso, toda a sociedade saiu perdendo. O mais ridículo agora é ter que engolir o prefeito nas redes sociais falando que ‘deu um jeitinho’ com o CREMERJ para não fecharem o hospital. Enquanto mãe e mulher a gente jamais vai querer que o hospital fique fechado, mas não é dando ‘jeitinho’ que as coisas vão começar a funcionar em Cabo Frio”, completou.