“Viúva da Mega-Sena” vai para regime semiaberto e passa Natal em casa

0
76

Adriana Ferreira Almeida, a “Viúva da Mega-Sena”, conseguiu progredir do regime fechado para o semiaberto e recebeu autorização da Justiça para passar o Natal na casa de sua mãe, em Tanguá, na Região Metropolitana do Rio. A ex-cabeleireira foi condenada a 20 anos de prisão por ser mandante do assassinato do ex-lavrador e milionário René Senna, em janeiro de 2007. Ela está presa desde junho de 2018.

De acordo com a decisão da juíza Roberta Barrouin Carvalho de Souza, da Vara de Execuções Penais, que garantiu à Adriana o benefício da Visita Periódica ao Lar, a ex-cabelereira “possui conduta disciplinar abonadora”. Documentos da Secretaria estadual de Administração Penitenciária definem seu comportamento dentro da cadeia como “ótimo”.

Viúva da Mega-Sena vai para regime semiaberto e passa Natal em casa

A autorização para deixar o Instituto Penal Ismael Pereira Sirieiro foi concedida em outubro. A saída de Natal, no entanto, é a primeira a que a ex-cabeleireira tem direito. Ao longo do ano, ela tem direito a cinco saídas da cadeia para visitar a família. Ela ja cumpriu, ao todo, quase quatro anos da pena — em dois períodos: o atual e um ano logo após o crime, em que ficou presa preventivamente, antes da sentença.

Em setembro do ano passado, esgotaram-se os recursos possíveis, e Adriana foi condenada definitivamente pelo assassinato de René Senna. Em dezembro de 2019, a ex-cabeleireira tentou se beneficiar do novo entendimento do STF sobre prisões após condenação em segunda instância e pediu para ser posta em liberdade. O ministro Alexandre de Moraes negou o pedido.

René Senna foi executado a tiros por dois homens contratados por Adriana, em Rio Bonito, na Região Metropolitana. De acordo com a sentença que condenou a ex-cabeleireira, ela ordenou a morte do marido após ele ter dito que iria a excluí-la do testamento, pois havia descoberto que estava sendo traído.

Adriana vai continuar presa

O documento que a beneficiava já foi anulado por decisão do Tribunal de Justiça do Rio, de fevereiro de 2018. A herança ainda é objeto de disputa entre a filha e 13 irmãos de Renné Senna. O sítio em que o casal vivia antes do crime — um dos bens mais valiosos da herança — está hoje abandonado. A propriedade tem 9,3 quilômetros quadrados, campo de futebol, quadra de vôlei, pomar e uma casa com sete quartos, cinco banheiros, quatro salas, adega, duas piscinas, sauna e churrasqueira.

Durante o julgamento em que foi condenada, em 2016, Adriana disse que amava René e que sua vida era muito melhor quando ele estava vivo: “Eu tinha tudo”, afirmou na ocasião. No entanto, ela adimitiu que tinha um amante desde meses antes da morte de Renné. Em abril de 2018, a Justiça determinou que Adriana fosse presa. Ela foi capturada pela Polícia Civil dois meses depois, em Tanguá.

Todas as nossas reportagens estão em constante atualização. Quem entender (pessoas físicas, jurídicas ou instituições) que tem o direito de resposta acerca de quaisquer de nossas publicações, por ter sido citado ou relacionado a qualquer tema, pode enviar e-mail a qualquer momento para [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui