‘Sarau Lilás’ tem programação virtual com música e poesia neste sábado em evento do Sinpro Macaé e Região | Região dos Lagos

0
12


O sábado (28) será de programação virtual repleta de música e poesia promovida pelo Sindicato dos Professores de Macaé e Região (Sinpro Macaé e Região). O “Sarau Lilás, a arte como resistência” encerra as ações do mês de agosto, que é dedicado ao combate à violência doméstica contra as mulheres, com apresentação da cantora Thati Dias e declamações de poemas de Conceição Evaristo, Adélia Prado, Cora Coralina, entre tantas outras mulheres.

A atividade tem o objetivo de proporcionar um espaço de reflexão, mas também de comemoração à luta pelo fim da violência contra as mulheres que, durante a pandemia, como reforça a organização do evento, “vivem o luto, o desemprego, a sobrecarga de trabalho, o recrudescimento da violência doméstica, a diminuição de acesso a serviços de atendimento básicos e a pobreza”.

Guilhermina Rocha, presidente do Sindicato dos Professores de Macaé e Região, explica o quanto é preciso dar volume as vozes nesta luta contra a violência, que, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, cresceu (casos de feminicídios) mais de 22% desde o início da pandemia da Covid-19 em comparação aos meses de março e abril de 2019.

“O objetivo é fortalecer laços e ampliar cada vez mais a voz e a luta das mulheres, para que ecoe por todo canto desse estado e que a cada ano sejamos mais e mais fortes”, afirma a Presidente do Sinpro Macaé e Região, Guilhermina Rocha, presidente do Sinpro Macaé e Região.

O encerramento do “Agosto Lilás” também celebra a aniversário de 15 anos da Lei Maria da Penha. Para o Sinpro, apesar de algumas falhas, é possível, mesmo assim, celebrar as vitórias quanto à coibição da violência física, patrimonial, sexual e moral praticada contra a mulher e quanto à punição dos agressores.

“É uma forma diferente de denunciarmos as opressões que nós sofremos, além de expressar a arte que está escondida em tantas mulheres que dirigem a luta no cotidiano”, explica Guilhermina.

O Sinpro lembra que, neste ano, a luta contra a violência à mulher ganhou mais um reforço.

“Em 29 de julho, entrou em vigor a Lei 14.188/2021, que prevê que agressores sejam afastados imediatamente do lar ou do local de convivência com a mulher em casos de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da vítima ou de seus dependentes, ou se verificado o risco da existência de violência psicológica. O texto modifica trechos do Código Penal, na Lei de Crimes Hediondos (Lei nº 8.072/90) e na Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006). A norma prevê pena de reclusão de um a quatro anos para o crime de lesão corporal cometido contra a mulher ´’por razões da condição do sexo feminino’ e a determinação do afastamento do lar do agressor quando há risco, atual ou iminente, à vida ou à integridade física ou psicológica da mulher”, lembra o Sinpro.

Guilhermina fala da importância dessa Lei para o Brasil.

“O Brasil quando aprova a criminalização da violência psicológica se coloca à frente de várias nações desenvolvidas. Com ações como essas, vamos debelar esse mal endêmico no nosso país. Convidamos a todas as professoras e professores a participarem deste momento no sábado para democratizarmos o debate utilizando a arte como uma ferramenta poderosa para isso”, avalia da presidente do Sindicato dos Professores de Macaé e, Guilhermina Rocha.

O Sinpro destaca ainda outros dois pontos importantes previstos na Lei:

  • A Lei estabelece ainda o programa de cooperação Sinal Vermelho, com a adoção do X vermelho na palma das mãos, como um sinal silencioso de alerta de agressão contra a mulher. A ideia é que, ao perceber esse sinal na mão de uma mulher, qualquer pessoa possa procurar a Polícia para identificar o agressor.
  • A nova legislação prevê ainda a integração entre os Poderes Executivo e Judiciário, o Ministério Público, a Defensoria Pública, os órgãos de Segurança Pública e entidades e empresas privadas para a promoção e a realização das atividades, que deverão desenvolver campanhas informativas a fim de viabilizar a assistência às vítimas, além de possibilitar a capacitação permanente dos profissionais envolvidos.



Fonte: G1