Saiba quem é Eduardo Gomes, escolhido por Bolsonaro para assumir liderança do governo no Congresso

    0
    63


    Senador do MDB do Tocantins assume o posto após a destituição da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). Parlamentar está em seu primeiro mandato. O senador Eduardo Gomes (MDB-TO) durante pronunciamento em comissão do Senado

    Marcos Oliveira / Agência Senado

    O senador Eduardo Gomes (MDB-TO) assume a liderança do governo no Congresso após a destituição da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) do cargo, em meio a uma crise entre o presidente Jair Bolsonaro e seu partido, o PSL.

    O nome de Gomes para o cargo foi confirmado no início da tarde desta quinta-feira. Desde março, Gomes já atuava em prol do governo no Senado.

    O líder do governo na Casa, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), escolheu o parlamentar do Tocantins como um dos vice-líderes na Casa, ao lado de Nelsinho Trad (PSD-MS), Elmano Férrer (PODE-PI) e Izalci Lucas (PSDB-DF).

    Gomes votou a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Previdência no primeiro turno, porém foi discreto na defesa da pauta. No dia em que os senadores votaram a matéria, antes da abertura da ordem do dia, foi à tribuna para exaltar o Dia do Idoso e o Dia do Vereador.

    No Senado, ele também votou:

    contra a suspensão dos decretos de Jair Bolsonaro sobre armas;

    a favor da redução da idade mínima para posse de arma em área rural;

    contra destaque sobre abono salarial que desidratou em R$ 76 bilhões a economia prevista com a reforma da Previdência.

    O novo líder do governo no Congresso foi eleito para seu primeiro mandato como senador em 2018 e foi o candidato ao Senado mais votado em Tocantins, com 248.358 votos, cerca de 19,48% dos votos.

    Eleito pelo Solidariedade para o Senado, Gomes se filiou ao MDB no dia 29 de janeiro, quatro dias antes da eleição para presidente da Casa. No seu perfil em uma rede social, exibe foto da assinatura de filiação do partido ao lado do senador Renan Calheiros (MDB-AL) e dos ex-senadores Romero Jucá e Eunício Oliveira.

    Foi relator de uma proposta que destina crédito suplementar de R$ 3,04 bilhões para seis ministérios. E é autor de uma PEC que inclui a proteção de dados pessoais disponíveis em meios digitais na lista das garantias individuais da Constituição Federal, aprovada em dois turnos na Casa.

    Eduardo Gomes é titular em seis comissões – entre elas, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e a Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI).

    Em julho, se licenciou do cargo de senador para assumir como secretário de governo do estado de Tocantins, a convite do governador Mauro Carlesse (DEM). Um mês depois, pediu a exoneração do cargo e voltou para o Senado.

    Antes de assumir o cargo como senador, foi deputado federal por três mandatos seguidos.

    Antes de Brasília

    Sergipano nascido em Estância em 1966, Gomes se mudou para Araguaína (então norte de Goiás e atual Tocantins) aos 16 anos.

    Sua carreira na política começou em 1986, quando assumiu a secretaria de Educação do município de Xambioá, no Tocantins. Mas o primeiro cargo eletivo foi em 1996, quando assumiu a vaga como vereador de Palmas e se reelegeu quatro anos depois.

    Ao contrário de sua antecessora, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), ativa nas redes sociais, Gomes tem um perfil discreto no Twitter. Com poucos seguidores – até a tarde desta quinta-feira (17), eram 3.505 –, o senador fez pouco mais de mil publicações na rede social. Desde que foi eleito deputado, foram apenas sete publicações.