Quem era Gleycy Correia, ex-miss que morreu após complicações de cirurgia de amigdalite | Região dos Lagos

Na segunda-feira (20), a morte da modelo, que foi ex-Miss Brasil Continentes Unidos, em 2018, causou grande comoção. Após ficar dois meses em coma em um hospital particular, ela não resistiu às complicações ocorridas após fazer uma cirurgia de amigdalite.

Ex-miss Gleycy Correia morre após complicações em cirurgia de amigdalite

Ex-miss Gleycy Correia morre após complicações em cirurgia de amigdalite

Gleyce Correia começou a trabalhar como manicure a partir de 12 anos de idade. Segundo a família, ela sempre gostou de estética, era independente e buscava realizar seus sonhos. Aos 27 anos, a ex-miss estava em ascensão profissional.

Ex-miss Gleycy Correia era empreendedora e se dedicava ao ramo da estética em Macaé — Foto: Reprodução redes sociais

Ela era empreendedora e atuava em Macaé como especialista em maquiagem permanente, uma trajetória que vinha sendo acompanhada nas redes sociais por mais de 53,8 mil seguidores. Na internet, a jovem também dividia um pouco de sua intimidade com os admiradores.

Gleycy Correia morreu após ficar dois meses em coma depois de uma cirurgia de amigdalite em Macaé — Foto: Reprodução redes sociais

A macaense, que era cristã, gostava de moda, viagem, atividade física e música. O canto também era uma paixão.

O irmão, Douglas Correia, disse que Gleycy fazia aula de canto e se queixava de constantes infecções na garganta. Por isso, com o objetivo de melhorar a saúde e a performance vocal, ela decidiu fazer a cirurgia de amigdalite.

O g1 conversou com um médico para entender alguns dos termos e ele explicou que encefalopatia anóxica é quando falta oxigênio para o cérebro por mais de 4 minutos, e causa esta condição.

“Pode ser pelo sangramento excessivo e o quadro de choque. O prontuário médico, com a descrição cirúrgica deve dar mais detalhes do que aconteceu para resultar neste evento. É bem raro”, disse o médico especializado em clínica médica e pediatria, doutor Graccho Alvim.

A família, agora, quer explicações. Acredita que houve negligência médica e chegou a fazer um registro de ocorrência na delegacia de Macaé, que disse que investiga o caso.

Fonte: G1