Polícia e MP prendem suspeitos de comandar milícia em Araruama, no RJ

0
42



Três pessoas foram presas durante a operação na manhã desta quarta-feira (2). Polícia e MP fazem operação contra suspeitos de integrar milícia em Araruama
Agentes da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais (Draco) e do Ministério Público do Rio (MPRJ) prenderam, na manhã desta quarta-feira (2), três suspeitos de comandar uma milícia que atua em Araruama, na Região dos Lagos.
Entre os presos está um policial militar e um ex-PM.
O objetivo da ação é desarticular uma organização acusada de praticar de inúmeros crimes como roubos, extorsões e sequestros.
Segundo as investigações, além do PM e do ex-policial militar presos, policias civis também apoiavam o bando. A intenção era instalar uma organização no formato de milícia na região.
Polícia e MP-RJ cumprem mandados de prisão contra suspeitos de comandar milícia em Araruama, no RJ
Laila Hallack/Inter TV
“É um grupo que estava em fase embrionária, mas era uma milícia já organizada, com poucos integrantes ainda, mas que já vinha desde o início do ano praticando alguns atos criminosos, entre eles roubo, extorsão, tortura de algumas pessoas. Há também uma linha de investigação que alguns homicídios estão sendo investigados e que seriam atribuídos a membros desse grupo”, explicou o promotor Marcelo Arsênio.
Seis mandados de busca e apreensão foram cumpridos em diversos endereços e foram apreendidos celulares e uma pistola.
Ainda segundo o promotor, os criminosos utilizavam uniformes e se apresentavam como policiais civis para praticar esses crimes.
“Isso dá para as vítimas a aparência de agentes estatais, quando na verdade, não são ou, pelo menos, não estão naquele momento exercitando o trabalho deles”.
As investigações policiais continuam, e visam, agora, identificar outros integrantes, além da destinação de eventual renda obtida com a prática de crimes pela quadrilha.
Veja outras notícias da região no G1 Região dos Lagos.
Mandados estão sendo cumpridos em Araruama, no RJ
Laila Hallack/Inter TV


G1