Motorista condenado por atropelar e arrastar ciclista por 3 km em Cabo Frio em 2014 é preso em Portugal | Região dos Lagos

0
17


O atropelamento aconteceu em setembro de 2014 na Avenida Wilson Mendes, no bairro Jacaré, e Celso foi arrastado até o Parque Burle. O julgamento foi em agosto de 2019. A pena foi de 12 anos de prisão em regime fechado.

Na época, a juíza Janaína Pomposseli, da 2ª Vara Criminal de Cabo Frio, também determinou a perda da caminhonete envolvida no atropelamento, e registrou na sentença que o réu não tem antecedentes criminais e, por isso, ele poderia recorrer da decisão em liberdade.

Câmeras de segurança registraram o parte do percurso feito pelo motorista. (veja no vídeo abaixo)

Motorista atropela, arrasta ciclista por cerca de 3 km e foge em Cabo Frio, RJ

Motorista atropela, arrasta ciclista por cerca de 3 km e foge em Cabo Frio, RJ

O condenado fugiu e só foi encontrado nesta terça-feira (23) por policiais portugueses após trabalho conjunto com as autoridades brasileiras, representadas pelo delegado titular da delegacia de Cabo Frio, Carlos Eduardo Pereira Almeida.

O motorista, Mario Fernando Gomes Lucas, constava como procurado internacional na lista da “Difusão Vermelha” da Interpol.

As investigações apontam que, após o julgamento, Mario fugiu para a cidade portuguesa de Cascais, onde se escondia até ser capturado

Celso Brito foi arrastado do bairro Jacaré ao Parque Burle, em Cabo Frio, RJ — Foto: Divulgação/Policia Militar

Celso Brito, de 60 anos, estava de bicicleta quando foi atropelado na Avenida Wilson Mendes. A bicicleta ficou presa embaixo da caminhonete e o corpo do pescador foi arrastado por quase de três quilômetros.

Câmeras de segurança de algumas casas conseguiram registrar o percurso feito pelo carro. Os equipamentos flagraram ainda o momento em que o motorista desceu do veículo, retirou o corpo do ciclista e foi embora sem prestar socorro.

Quase um mês depois, a polícia conseguiu identificar o motorista: o empresário Mário Fernando Gomes. Apesar de ter confessado o crime, ele não havia sido preso e respondia em liberdade pelo crime de homicídio doloso, quando se assume o risco de matar.



Fonte: G1