Ministério Público vai investigar carência de professores na rede estadual de ensino


<br /> Ministério Público vai investigar carência de professores na rede estadual de ensino – Folha dos Lagos<br />





segunda, 16 de maio de 2022

TEMPO REAL

Confirmados: 79902
Óbitos: 2439

ConfirmadosÓbitos
Araruama17822469
Armação dos Búzios857577
Arraial do Cabo212096
Cabo Frio217371002
Iguaba Grande7033153
São Pedro da Aldeia10596298
Saquarema12019344


Últimas notícias sobre a COVID-19

CONTA NÃO FECHA

Uma das informações apuradas inicialmente é de que haveria um cadastro de reserva de cerca de mais 9 mil aprovados em concursos

16 maio 2022 – 14h52Por Redação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Proteção à Educação, instaurou inquérito civil para apurar a falta de professores e de profissionais de apoio na rede estadual de ensino. Inicialmente, estima-se uma carência de 7 mil professores na rede estadual, podendo este número ser superior, a depender da apuração. 

 

A Promotoria de Justiça vai trabalhar em informações apresentadas durante reunião realizada pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), em 10 de maio, com a presença de representantes da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc), e recebidas via Ouvidoria/MPRJ. Uma das informações apuradas inicialmente é de que haveria um cadastro de reserva de cerca de mais 9 mil aprovados em concursos realizados e homologados em momento anterior à entrada do Estado no Novo Regime de Recuperação Fiscal.   

 

Também serão apuradas as providências administrativas adotadas, com vistas à manutenção da oferta do ensino e à continuidade do serviço público educacional; a eventual validade dos concursos públicos realizados nos anos de 2013 e 2014 e a razão do não suprimento dos cargos vagos de docentes diante da suposta existência de candidatos aprovados e/ou cadastro reserva, considerando-se o entendimento legal de que tal reposição não viola em princípio o Regime de Recuperação Fiscal; e a higidez da conduta do gestor e de possível lesão ao interesse público e ao serviço educacional em razão da não provisão de cargos efetivos em quantitativo suficiente para a manutenção da oferta do serviço educacional com a regularidade e a qualidade constitucionalmente garantidas.    

 

O Ministério Público concedeu dez dias para que a Seeduc e a Casa Civil se manifestem sobre tais pontos. A reportagem entrou em contato com a Secretraria Estadual de Educação e aguarda uma resposta. 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.






Fonte: Folha dos Lagos