Manchas negras na Praia do Forte não são óleo cru mas “beachrocks” que estavam enterradas

0
456
Manchas negras que surgiram na Praia do Forte não são óleo cru, são “beachrocks” que estavam enterradasDevido ao desastre ambiental ocorrido no nordeste por conta da contaminação das praias por uma grande quantidade de óleo bruto, e do surgimento de fragmentos em uma praia de São João da Barra e outra de Quissamã, por enquanto as duas evidências de óleo no litoral do Estado do Rio de Janeiro, e ainda pelo ESTADO DE ATENÇÃO adotado pelas cidades litorâneas, as pessoas acabam ficando alarmadas com qualquer anomalia no litoral. Em Cabo Frio, por conta das excessivas variações de marés e também pelo aumento cíclico do nível do mar, característico dessa época do ano, houve um processo de erosão costeira na praia do Forte, o que expôs a formação de uma rocha chamada “beachrock”.
Trata-se de um arenito, ou seja, uma rocha sedimentar que consiste de uma mistura variável de cascalho, areia e lodo, cimentado com carbonato de minerais, que se forma dentro da zona entre marés e são cobertas pela areia não consolidada. Essa rocha possui uma cor escura, é porosa e sua aparência se assemelha ao carvão, o que têm levado as pessoas a confundirem com fragmentos de óleo. A Defesa Civil de Cabo Frio esclarece que elaborou um Plano de Emergência o qual garante junto a outros órgãos municipais, estaduais e federais uma coordenação de ações eficientes de monitoramento e resposta para o caso de surgimento de óleo nas praias da cidade. A Defesa Civil de Cabo Frio está disponível em sua base localizada no Terminal de Transatlânticos, Avenida Assunção s/nº, ou pelos telefones 199 ou (22) 2647-0199 para mais esclarecimentos sobre esse assunto.