Ex-marido suspeito de matar argentina em Búzios é encontrado morto em hotel em Guarapari

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O ex-companheiro e suspeito de matar a argentina Evangelina Mariel Trotta, de 48 anos, no mês passado em Búzios, na Região dos Lagos do Rio, foi encontrado morto dentro de um hotel em Guarapari, no Espírito Santo, no dia 24 de abril, dois dias depois do assassinato da mulher.

A informação foi divulgada pela Polícia Civil nesta sexta-feira (6).

De acordo com a polícia, o homem tinha dado entrada no hotel com um nome diferente. Ele estava desaparecido desde a morte de Evangelina, no dia 22 de abril. O carro da vítima também estava desaparecido e foi encontrado no estabelecimento. 

A Polícia Civil do Espírito Santo informou que a morte foi registrada como suicídio por arma de fogo. O dono do hotel acionou a polícia informando que um hóspede não era visto desde o dia anterior. 

O corpo foi encaminhado para o Departamento Médico Legal de Vitória, para ser necropsiado e identificado, mas nenhum familiar se apresentou para liberar o corpo do IML. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa de Guarapari comunicou a Polícia Civil do Rio de Janeiro nessa quinta-feira (5) sobre o fato.

Polícia Civil do ES confirmou que a vítima encontrada no hotel é o ex-companheiro de Evangelina, Diego Fusaro. 

O delegado de Búzios Sérgio Santana disse que havia um mandado de prisão contra Diego e que o crime foi registrado como feminicídio. 

Corpo de Evangelina

O corpo de Evangelina foi liberado do Instituto Médico Legal de Cabo Frio no dia 26 de abril. A Polícia Civil informou que tem informações de que a família tentava fazer o traslado do corpo.

Ainda segundo a Polícia Civil, o ex-companheiro de Evangelina era o principal suspeito do crime. Ele também é argentino e pai dos três filhos da vítima: de 18, 15 e 13 anos. 

“Dentre as linhas de investigação, a que mais ganha força até o momento é de que o crime tenha sido cometido pelo ex-companheiro. O casal se separou há aproximadamente um ano”, disse o delegado.



Fonte: Jornal de Sábado