CABO FRIO: Silas e Vanderson Bento são presos em operação do grupo de repressão ao crime organizado do MPRJ

1
806

CABO FRIO: Silas e Vanderson Bento são presos em operação do grupo de repressão ao crime organizado do MPRJA sexta-feira (23/10) começou com uma notícia bombástica no meio político de Cabo Frio. Em pleno calor da campanha eleitoral, o ex-deputado estadual e ex-vereador, pastor Silas Bento, e o filho dele, Vanderson Bento, que é candidato a vereador na cidade pelo PTB, foram presos em ação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público. Os dois são réus em ação por suspeita de prática de “rachadinha” na Alerj, com mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça.

Silas e Vanderson Bento são suspeitos da prática de diversos crimes, como lavagem de dinheiro, peculato (desvio de recursos públicos), participação em organização criminosa e até roubo. A denúncia mostra que Vanderson supostamente até usou de “meios violentos” para prática de crimes de extorsão. Foram realizadas operações de busca e apreensão em vários endereços. Celulares e documentos serão periciados e podem evidenciar a prática de outros crimes, inclusive eleitorais.

Vanderson é irmão de Vanderlei Bento, que é vereador em Cabo Frio, e filho de Ilana Bento, que é Coordenadora Geral da Pessoa Idosa (COGEPI) do governo do prefeito Adriano Moreno. Silas Bento era apontado um dos principais articuladores políticos da campanha do candidato a prefeito Dr. Serginho (Republicanos), que é do mesmo partido de Flávio Bolsonaro, apontado como um dos líderes do esquema de rachadinhas na Assembleia Legislativa do Estado, em relatório do Conselho de Administração Financeira (COAFI) que foi divulgado no início desse ano.

Apesar de segundo o MPRJ a prisão dos dois envolvidos não ter ligações com o relatório do COAFI, Silas e Vanderson Bento foram presos sob a acusação de prática ilícita de “rachadinha”, que teria ocorrido por dois anos no gabinete de Silas Bento e lesado os cofres públicos em pelo cerca de R$ 250 mil. Silas Bento é o primeiro ex-deputado estadual do Rio a ser preso por esse crime, em uma lista de suspeitos que tem vários deputados e ex-deputados suspeitos da mesma prática, entre eles o ex-secretário de saúde de Cabo Frio, Iranildo Campos.

DENUNCIANTE TAMBÉM VIROU RÉ

“Vanderson fez uma das cobranças de forma bem ameaçadora, o que levou a vítima a procurar o Ministério Público. O próprio Vanderson, durante uma dessas cobranças, se apropria do óculos do marido dessa assessora”, disse o promotor do GAECO Marcelo Arsênio. Por isso, o candidato do PTB a vereador de Cabo Frio também responderá pela acusação de roubo.

A assessora em questão é Taíssa Saldanha Alves, que também virou ré na ação proposta pelo MPRJ. Em depoimento, ela admitiu que era “funcionária fantasma” na ALERJ. De um montante de cerca de R$ 250 mil, Taíssa teria transferido 80% do valor, através de depósitos fracionados, para as contas do próprio Silas Bento, segundo apurou o MPRJ. Ela também foi denunciada e virou ré por associação criminosa e peculato e foi alvo de busca e apreensão na operação do Ministério Público.

Todas as nossas reportagens estão em constante atualização. Quem entender (pessoas físicas, jurídicas ou instituições) que tem o direito de resposta acerca de quaisquer de nossas publicações, por ter sido citado ou relacionado a qualquer tema, pode enviar e-mail a qualquer momento para plantaodoslagos@gmail.com

©Plantão dos Lagos
Fonte: Redação / Plantão
Fotos: divulgação

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui