Batalha de rap interrompida por ação policial terá semifinal e final nesta terça em Cabo Frio, no RJ | Região dos Lagos

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Desta vez, o evento será realizado na Praça da Cidadania, próximo à Praia do Forte, e foi intitulado “O verso de uma criança não se cala com um tiro”. 15 MC’s vão participar às 19h.

Na semana passada, o caso repercutiu nas redes sociais e rappers como L7 e Filipe Ret repudiaram a ação. Diversos jovens se reuniam para acompanhar a batalha e foram surpreendidos com a chegada da polícia e com a ação truculenta de dois policiais. No vídeo, é possível ver a confusão e correria começando.

Em nota enviada nesta terça-feira (10), a Polícia Militar informou que um procedimento interno foi instaurado pelo comando do 25º BPM para apurar a situação ocorrida na Praça do bairro Manoel Corrêa. O processo está sendo finalizado e será encaminhado para a Corregedoria Geral da Polícia Militar.

A PMERJ disse, ainda, que os policiais militares envolvidos na ocorrência foram ouvidos na sede do batalhão local e foram afastados de suas funções nas ruas até a conclusão dos procedimentos apuratórios.

A Prefeitura de Cabo Frio também se pronunciou e repudiou o ocorrido. Em nota, o município disse apoiar a manifestação artística e prestar solidariedade aos participantes, que foram reprimidos pelos agentes de segurança.

“A ação desses policiais contraria todos os esforços feitos pelo Governo Municipal para garantir o acesso da população jovem à cultura e ao lazer. As imagens demonstram uma atuação truculenta e violenta por parte daqueles que deveriam proteger a população”, diz o município em nota.

A Prefeitura finaliza a nota dizendo que não se pode admitir que famílias inteiras sejam humilhadas e expulsas do espaço público.

“O disparo de tiros em um ambiente repleto de crianças é uma atitude irresponsável e que não pode ficar impune. O Estado deve garantir a liberdade dos cidadãos e preservar vidas, jamais atentar contra a sua própria população”, conclui o município.

Rapper Lennon, conhecido como L7, republicou vídeo da ação truculenta da PM que encerrou batalha de rap em Cabo Frio — Foto: Reprodução/Instagram

Nas imagens que ganharam as redes sociais é possível ver diversos jovens e crianças acompanhando a batalha na praça do bairro até que policias militares param o carro e começam a atirar para cima. Na ocasião, uma pessoa ficou ferida.

No vídeo também é possível ouvir um policial ameaçando a atirar no rosto de uma pessoa.

Nas redes sociais, o rapper Lennon, conhecido como L7, publicou o vídeo da ação e repudiou o ocorrido. Na legenda ele diz que são nessas batalhas que surgem os novos talentos, pessoas que se descobrem na música e se tornam super artistas. Até a última atualização desta reportagem, o vídeo no perfil do rapper já tinha cerca de 1 milhão e 300 mil visualizações.

“Isso tá errado demais, não é a primeira vez que acontece e infelizmente também não é a última!!! Rap não é crime, batalha de rap não é um confronto com arma, nem pessoas instruindo as crianças a largarem a escola e entrar para boca, pelo contrário, muitas dessas crianças deixam de se envolver no crime para tentar viver da música, para tentar dar certo assim como eu e vários irmãos tem sido exemplo e referência para milhares de pessoas, mostrando que é possível seguir e fazer dinheiro de uma forma honesta e fazendo o que ama, isso tem que acabar (…)”, disse o rapper no Instagram.

O projeto de Lei 0242 que propõe que o rap seja considerado patrimônio imaterial e cultural de Cabo Frio foi votado e aprovado no início da tarde desta terça-feira na Câmara Municipal. Esse projeto segue agora para a sanção do prefeito.

O PL, de autoria do vereador Davi Luís (PDT) ainda propõe que o Dia Municipal do Hip Hop, comemorado no dia 12 de novembro, seja incluído no calendário de eventos da cidade.

Estiveram presentes na solenidade autoridades e apoiadores do movimento do rap do bairro Manoel Corrêa.



Fonte: G1