Ataque de pitbull: Como se defender em caso de perigo iminente | Região dos Lagos

0
79


Veja o vídeo de um dos ataques:

VÍDEO: Imagens mostram pitbulls atacando animal pela fresta de portão em Rio das Ostras

VÍDEO: Imagens mostram pitbulls atacando animal pela fresta de portão em Rio das Ostras

Um dos animais atacados, uma cadela de 2 anos e 7 meses, morreu, e o outro teve um grave ferimento em uma das patas. Os pitbulls foram capturados ainda na semana passada por equipes da prefeitura e pelo Corpo de Bombeiros. Eles foram levados para o Programa de Saúde Animal (PSA) do município. Nenhum tutor foi identificado.

Em fevereiro deste ano, outro caso de ataque de pitbulls terminou em tragédia na região. Um homem morreu e duas crianças ficaram feridas após serem atacadas por pitbulls em Araruama. Neste caso, os animais foram sacrificados durante o ataque por policiais que tentavam socorrer as vítimas.

De acordo a lei estadual de novembro de 1999, os proprietários e possuidores de cães de médio e grande porte são obrigados a fazer uso de coleira e focinheira, ao saírem como os animais em vias públicas. Nestes dois casos, no entanto, não havia tutores acompanhando os pitbulls.

O g1 conversou sobre o assunto com o especialista em comportamento canino e adestrador, Emerson Araujo.

Emerson Araujo é especialista em comportamento canino e adestrador — Foto: Arquivo pessoal

“O pitbull é uma raça muito boa, mas é um cachorro muito forte, principalmente quando ele entra no modo de luta e está anestesiado pela descarga de adrenalina. Quando o cachorro ataca, é inevitável que alguma lesão vai acontecer”, explica o especialista.

Emerson ressalta, no entanto, que existem algumas maneiras de evitar ou minimizar os ferimentos em casos de ataque. “Os cães fazem primeiro a leitura corporal de tudo. Um cachorro se comunica com outro pela linguagem corporal. Então, a nossa linguagem corporal diz muito. A nossa ação vai gerar uma reação no cachorro”, afirma o adestrador.

Ao g1, Emerson compartilhou dicas de como agir em casos de perigo iminente.

Veja as dicas compartilhadas pelo especialista:

  1. O que fazer quando estiver frente a frente com o cachorro?
  2. Como se defender em caso de ataque?
  3. Como ajudar alguém que está sendo atacado?

Lei estadual de 1999 estabelece que pitbulls, e outros cães de médio e grande porte, só podem circular nas ruas com coleira e focinheira — Foto: Emerson Araujo

1. O que fazer quando estiver frente a frente com o cachorro?

  • Não encare! “Não fique olhando para ele. Quando a gente olha para o cachorro, que pode já estar no modo luta, na cabeça dele, isso é uma afronta”;
  • Nada de armas. “Não pegue nenhum tipo de pedaço de pau ou algum objeto para assustá-lo ou agredi-lo. Isso é como jogar gasolina no fogo. O pitbull é uma raça que tem a característica de dominância aflorada e essa atitude estimula o ataque”;
  • Mantenha distância.“Procure evitar o contato próximo. Se o animal está de um lado da rua, atravesse para o outro lado e não fique olhando para demonstrar para ele que não quer briga, que está em missão de paz”;
  • Não corra! “Quando a pessoa corre, ela ativa o modo caça do cachorro e, automaticamente, ele vai atrás. Também não é recomendado fazer movimentos bruscos ou gritar. Deu de cara com o animal? Continue caminhando em direção ao lado oposto, como se estivesse ignorando ele”;
  • Desvie o foco do animal. “Se tiver ração ou algum petisco ao avistar o cachorro, jogue pelo chão para tentar direcionar o foco dele para isso”.

2. Como se defender em caso de ataque?

  • Não faça movimentos bruscos. “Por exemplo, o cachorro pegou no braço de uma pessoa. Se essa pessoa começar a sacudir o braço, mais ele vai querer dominar. Eu sei que, por extinto, vamos tentar se desvencilhar, mas quanto mais a gente faz isso, mais ele domina e dilacera. Claro que ninguém vai esperar o cachorro morder e vai ficar olhando. Por outro lado, quanto mais a pessoa se debater mais ela vai atisar o animal a morder”;
  • Direcione a mordida. “Tem uma mochila ou bolsa? Coloque na frente do corpo para que o animal morda aquele objeto. É o que se vê em adestramento para cães de guarda e proteção: o direcionamento de mordida”;
  • Vire de costas. “Ao virar de costas para o cachorro estamos demonstrando, com uma linguagem corporal, que não queremos briga. De um modo geral, os animais entendem que não tem motivo para continuar a briga”.

3. Como ajudar alguém que está sendo atacado?

  • Não segure o cachorro. “Se você tentar separar o cachorro da vítima você também pode virar o alvo”.
  • Tire o foco do agressor. “Usar um extintor de incêndio em direção ao animal pode ajudar porque o barulho e fumaça podem incomodar o cachorro e fazer com que ele se afaste. Jogar ração no chão também pode distrair o animal. Buzina, tipo as de carnaval, é outra opção que certamente vai incomodá-lo, já que os cachorros têm a audição bem mais sensível que a dos humanos”.



Fonte: G1