Araruama está na rota da extração clandestina de areia segundo o MPF

0
106

O Ministério Público Federal (MPF), a Secretaria de Estado do Ambiente (SEAS) e o INEA (Instituto Estadual do Ambiente) deflagraram diversas operações em 2019 para combater areais clandestinos em municípios do Estado do Rio. Segundo o superintendente de combate aos crimes ambientais da SEAS, Fábio Pinho, a maior parte da areia é extraída para ser usada em obras. Isso porque, atualmente, há um aumento da demanda por areia em obras e construções, o que gera um crescimento também no volume de extração ilegal do material. De acordo com a Secretaria, para realizar a atividade legalmente, deve haver um estudo de impacto ambiental, além de licenciamento ambiental pelo INEA e pela Agência Nacional de Mineração. A Superintendência Integrada de Combate aos Crimes Ambientais realizou 73 operações, sendo elas em Duque de Caxias, Ilha de Guaratiba, Seropédica, Campo Grande, Araruama, Bom Jardim, Vargem Grande e Itaboraí.