Renault tem nova arquitetura de software

A Renault entende e aprecia a ameaça representada pela Tesla e anunciou que está trabalhando em uma nova arquitetura de software que estará no mesmo nível do atual líder em veículos elétricos.

Durante uma apresentação recente em Boulogne-Billancourt, na França, a Renault revelou que sua unidade Ampere EV usará um novo design de “veículo definido por software” desenvolvido em parceria com o Google e a Qualcomm. Essa nova arquitetura operará com apenas 20 processadores, ante os 100 que a Renault usa atualmente. Além disso, a arquitetura permitirá atualizações de software over-the-air.

O impacto da nova arquitetura Renault

Renault tem nova arquitetura de software feita com Google e Qualcomm

Veja mais: Apresentando a nova Toyota Hilux Conquest AT6 4×4

“Isso é semelhante com a Tesla, em 2026 eles terão a mesma abordagem, eles terão a mesma abordagem de arquitetura EV”, disse o diretor digital da Renault, Frédéric Vincent.

A Renault acrescentou que a nova arquitetura de software ajudará a evitar despesas de pesquisa e desenvolvimento de € 1,5 bilhão (R$ 8 bilhões) ao longo de uma década. Também beneficiará os proprietários, melhorando o valor de revenda graças aos recursos de direção e entretenimento informativo que podem ser atualizados de forma consistente.

O chefe de engenharia da Renault, Gilles Le Borgne, acrescentou que a arquitetura de software da empresa estará no nível da Tesla em 2026, relata a Reuters.

No curto prazo, o executivo-chefe da marca, Luca de Meo, observou que os recentes cortes de preços introduzidos pela Tesla são “um desafio no curto prazo”, mas tanto ele quanto La Borgne disseram que a Renault não entrará em uma guerra de preços.

Não será uma disputa direta de mercado

“Não queremos fazer o que fizemos no passado, queremos vender nossos carros, não queremos doar nossos carros”, disse La Borgne.

A Renault planeja desmembrar sua unidade de veículos elétricos Ampere antes do final deste ano e acredita que poderia ter uma capitalização de mercado de cerca de € 10 bilhões (R$ 55 bilhões). O spinoff faz parte de uma dramática reorganização dentro da empresa que inclui o estabelecimento de uma joint venture com a Geely em veículos movidos a combustão interna. A marca Alpine também se transformará em fabricante de veículos elétricos.

Fonte: Portal R7