Renault Oroch 2023: agora turbo, encontrou seu lugar

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Antes do projeto da Fiat Toro existir, nenhuma outra fabricante pensava em fazer uma picape monobloco derivada de um SUV para preencher o espaço entre as compactas e as médias. Nem mesmo a Renault que, apesar de ter lançado a Oroch antes, só o fez porque soube do projeto da Fiat. Mas ela não parecia ter encontrado seu lugar no mundo.

Menor que a Fiat Toro e com preço próximo da Strada, a Renault Oroch sempre pecou por não ter câmbio automático de verdade (dá para desconsiderar o automático de quatro marchas pois ele estava longe de ser decente) e pelo acabamento ruim. A produção limitada também a atrapalhava. Mas agora a Renault quer e vai mudar o jogo.

A Oorch pediu divórcio do Duster e tirou seu nome do documento. Uma jogada inteligente, porque ninguém a chamava de Duster Oroch, além de diferenciar os dois modelos. A picape ganhou para-choques exclusivos, interior renovado com elementos de todos os SUVs da marca e novos motores. Para mais detalhes sobre a mudança, confira o texto clicando aqui.

Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]
Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]

Lugar ao sol

Vou me ater às impressões que a nova Oroch passou e finalmente parece que a Renault encontrou um lugar para ela. Ao invés de tentar brigar com a Toro, a picape vai enfrentar as versões de topo da Strada com as variantes 1.6 e provocar uma bela dúvida em quem pensa em uma Toro Endurance ao ver a Oroch Outsider, como a testada aqui.

O porte é justamente intermediário entre elas e o acabamento também. Os materiais tem qualidade semelhante aos usados no Duster: são plásticos, mas bem montados e de qualidade. É um resultado bem superior ao Captur, que tenta disfarçar sua qualidade de Kwid com uma superfície macia ao toque na parte superior do painel.

Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]
Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]

Problema foi a mistura de volante de Sandero, com painel de instrumentos de Captur e peças de Duster. A salada mista até funciona, mas fica a impressão de que a Renault quis economizar o máximo que poderia, sem usar plásticos de qualidade ruim. A vantagem foi o acesso a tecnologias como a central multimídia que agora tem Android Auto e Apple CarPlay sem fio.

Ergonomia ruim continua com volante sem ajuste de altura e banco com espuma muito dura na lombar. Há ainda três lugares diferentes que precisam ser acessados para operar o piloto automático: botão no painel do lado esquerdo, teclas do lado esquerdo do volante e outras teclas do lado direito. Uma complicação desnecessária.

Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]
Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]

Robustez e chão

A mistureba na cabine também foi vista no comportamento da Oroch, mas dessa vez por um lado positivo. Ela tem a reconhecida robustez do Duster, enfrentando ruas esburacadas, valetas e imperfeições sem dificuldade. A suspensão absorve bem os impactos e mostra um trabalho silencioso e bem isolado. Aguenta o tranco como poucos carros de mesmo preço.

Do Sandero RS veio o apetite pelas curvas. É notável como essa picape gosta de fazer curvas fortes e se manter estável e centrada. Vai melhor que o Duster e se aproxima de um hatch, não balançando excessivamente e sem cantar seus novos pneus Michelin.

Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]
Renault Oroch Outsider [Auto+ / João Brigato]

A direção eletro-hidráulica contribui para a velocidade nas reações, mas é desnecessariamente muito pesada nas manobras, além de tremer no fim do curso. Rodando, porém, assume um peso adequado e bom para uma tocada mais apimentada.

Reforços estruturais e mudanças na plataforma, feitas para o Duster, mostraram resultado na Oroch bem mais do que o que foi visto no Captur reestilizado.

 [Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

Estrela da família

Mas o que merece verdadeiro elogio à Renault Oroch é o acerto maestral do motor 1.3 turbo com o câmbio CVT. Mesmo conjunto visto em Duster e Captur, o quatro cilindros turbinado entrega saudáveis 170 cv e 27,5 kgfm de torque. Por ser mais leve que a Toro, mesmo com menos potência, chega ao 100 km/h em 9,9 segundos, quase 1 segundo antes da rival.

O câmbio CVT trabalha esperto e sobe a rotação do motor sempre que necessário, mas sem o efeito enceradeira. Ele simula trocas de marcha em momentos de acelerações mais fortes, enquanto no dia-a-dia controla bem os níveis de rotação do motor para não irritar o motorista e aproveitar o torque em baixa do motor 1.3 turbo.

 [Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

É o melhor acerto entre os carros com CVT no Brasil. Pena que o consumo seja alto: 7,8 km/l na estrada e 7,4 km/l na cidade com etanol. Na gasolina ela melhora: 11 km/l na estrada e 10,5 km/l na cidade.

Veredicto

As mudanças na Renault Oroch vão bem além do que os olhos veem. Apesar dos problemas de ergonomia, ela é muito mais gostosa de dirigir do que teria direito por seu preço e origem mais franciscana que da Fiat Toro. É agora uma real alternativa para quem acha a Strada muito pequena e simples, mas está longe do orçamento para uma Toro mais completa. Basta que o potencial que ela tem para vender bem mais do que antes se concretize no mundo real.

 [Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

>>Renault Captur 2022 melhorou muito, mas é inferior ao Duster | Avaliação

>>Se a Lada for tomada pela Rússia, Renault perderá (muito) dinheiro

>>Flagra: Renault Kwid elétrico já circula em testes no Brasil



Fonte: Revista Carro