Great Wall compra fábrica da Mercedes e chegará com 3 SUVs e picape

0
75


Depois de muitas negociações e especulações, a entrada da marca chinesa Great Wall ao Brasil finalmente se concretizará. A maior fabricante chinesa há dez anos namora com o nosso país e agora terá base para iniciar suas operações graças à compra da fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis, interior de São Paulo.

O anúncio oficial ainda não foi feito, contudo, a coluna Marcelo Ninio do O Globo teve acesso a um jornal interno da fábrica que anuncia a venda. Há cerca de duas semanas, quando os boatos se intensificaram, Great Wall e Mercedes-Benz assinaram o contrato de compra e venda. A publicação, inclusive, diz que a fábrica já está dentro dos padrões da nova dona.

A planta de Iracemápolis foi erguida pela Mercedes-Benz em 2013 para fugir do Super IPI imposto pelo Rota 2030. Produzindo apenas Classe C e GLA, a fábrica foi desativada em dezembro de 2020.

Haval H2 [divulgação]
Haval H2 [divulgação]

A marca alemã estava pronta para apresentar a nova geração de ambos os modelos, o que exigiria investimentos pesados na fábrica para manter a produção. Algo não rentável. Por isso, foi decidido seu fechamento e venda, ao invés de gastar milhões de reais em mudanças para modelos que vendem um volume baixo para justificar uma produção nacional.

Como será a gestão Great Wall da fábrica

Agora sob comando da Great Wall, a fábrica paulista passará por reformas e adequações para iniciar a produção local de modelos. Isso faz parte do plano de expansão global da marca, que adquiriu recentemente a fábrica da GM na Índia e erguei uma planta na Rússia. A ideia é atingir 4 milhões de carros vendidos até 2025.

Haval H6 [divulgação]
Haval H6 [divulgação]

Dentro do grupo Great Wall, a escolhida para atuar como destaque é a Haval. Ela é uma espécie de Jeep da China, vende apenas SUVs e tem lugar garantido na lista de carros mais vendidos do país asiático. Segundo o site WM1, até mesmo a lista de modelos já está escolhida.

Duas fases, mas uma pode ter sido cancelada

A princípio a Great Wall importará da China alguns modelos antes de começar a produção nacional. A compra da fábrica da Mercedes-Benz pode ter acelerado o processo e há chance de que a fase como importadora seja pulada. A gestão CAOA na Chery com linha de modelos 100% nacional provou que o brasileiro ainda valoriza muito essa condição.

Haval H4 [divulgação]
Haval H4 [divulgação]

Serão abertas 60 concessionárias com o logo Haval. A estrela da linha será o SUV compacto H2. Com 4,36 m de comprimento, 1,81 m de largura, 1,71 m de altura e 2,56 m de entre-eixos, ele batalhará na base da categoria. Os rivais são CAOA Chery Tiggo 3X, Renault Duster, VW Nivus, Fiat Pulse e o futuro Citroën C3. Há ainda a versão cupê chamada de H2s.

Logo depois vem o Haval H4 com 4,41 m de comprimento, 1,84 m, de largura, 1,69 m de altura e entre-eixos de 2,66 m. Ele ficará posicionado entre os SUVs compactos topo de linha e os médios de entrada, como faz o Honda HR-V. Além do japonês, concorrerá com Jeep Renegade e Compass, Toyota Corolla Cross, VW T-Cross e Taos e CAOA Chery Tiggo 5X e Tiggo 7.

Haval H6 [divulgação]
Haval H6 [divulgação]

O segmento de SUVs médios será coberto pelo Haval H6. Ele tem versão cupê na China e é um dos carros mais vendidos do país. Tem 4,61 m de comprimento, o que o coloca no porte do Honda CR-V, mas a mira será apontada para os médios em versão intermediária e topo de linha.

Ou seja, Jeep Compass Longitude, Limited e S (todos flex) Volkswagen Taos Highline e as versões híbridas do Toyota Corolla Cross. Por fim, a Great Wall ainda terá a picape média Poer. Ela é a mais vendida da China na categoria e vai brigar com S10, Amarok e Hilux. Tem como destaque os diversos sistemas de condução semiautônoma que hoje só a Ranger Limited tem.

Great Wall Poer [divulgação]
Great Wall Poer [divulgação]

>>Mercedes-Benz Classe E chega renovado ao Brasil por até R$ 1.400.900

>>CAOA Chery Tiggo 3X vs. VW Nivus: quem oferece mais por menos?

>>CAOA Chery Tiggo 3X não é um Tiggo 2 requentado | Impressões



Fonte: Revista Carro