Como é pilotar a Honda CB 1000R Black Edition, uma naked de personalidade forte – MinutoMotor

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Antes de focar no desempenho e na eletrônica da nova versão da CB 1000R Black Editoin, vale destacar sua ergonomia. O piloto de estatura mediana – como eu – veste bem a moto. O guidão é largo e alto, que até lembra o usado nas trails, e oferece bastante conforto e boa manobrabilidade. O piloto não fica com o tronco à frente, como em uma esportiva. Mas não há proteção aerodinâmico. O banco é confortável e as pedaleiras são mais centralizadas, que exige uma pilotagem com a ponta dos pés posicionados sobre o apoio. A CB 1000R foi concebida para passeios curtos e até para track-days, já que seu desempenho vem do motor da superesportiva CBR 1000RR Fireblade, de 2012.

Fotos Divulgação / Equipe Honda

Em função de ajustes internos e no sistema de alimentação, o propulsor ganhou 1 cv de potência. Agora são 142,8 cv a 10.500 rpm. Já o torque – de 10,2 Kgf.m – vem desde as baixas rotações. Ou seja, potência e força acima da média. Dá até medo de girar o acelerador eletrônico com vontade. É impressionante como a moto ganha velocidade em pouco espaço de tempo. A “brincadeira” começa mesmo acima dos 7.000 giros.

Em trechos sinuosos entre São Paulo e Minas, com as trocas de marchas constantes, a moto transmite versatilidade e muita segurança. Numa pilotagem mais esportiva com a Black Editoin, o quickshifter bidirecional oferece trocas de marchas sem a necessidade do acionamento da embreagem para engatar as marchas. A CB 1000R Neo Sports Café pode ser uma comportada senhora ou um “demônio” sobre duas rodas. Piscou você está acima da velocidade permitida. O piloto é quem escolhe sua personalidade em função dos modos de pilotagem (quatro, um totalmente ajustável).

Neste test-ride, o jornalista Aldo Tizzani usou o capacete Bieffe B12 Classic, equipado com o sistema de fonia SmartTrip, da Starplast

Esta moto de característica esportiva, porém desnuda de carenagens, oferece uma ciclística muito bem acertada. A moto está sempre no trilho. Freios superdimensionados e conjunto de suspensões que copiam bem as imperfeições do piso (estradas). Claro que em trechos urbanos e esburacados, o conceito de esportividade sofre um pouco. Com entre-eixos curto, a bignaked é boa também para contornar curvas. A CB 1000R Neo Sports Café, na versão Black Editoin, é uma das motos mais bonitas da linha de alta cilindrada da Honda.

E uma das mais divertidas também, especialmente para os cinquentões! Bom, vesti a moto, me diverti muito e usei praticamente todos os recursos eletrônicos dos modos de pilotagem e do sistema de conectividade, aliado ao sistema de fonia SmartTrip. Tudo muito intuitivo. Forte, potente, divertida, segura e conectada! Preço: a partir de R$ 79.970 (Frete não incluso).

Fonte: R7