as diferenças entre Brasil, Índia, China e Rússia

0
16


Quando o Hyundai Creta foi lançado globalmente em 2015, ele se tornou a grande estrela da marca sul-coreana em mercados de baixo custo. Índia, China, Brasil e Rússia rapidamente se tornaram seus mercados chave, sendo cada qual com mudanças visuais exclusivas para o SUV compacto. Agora em sua segunda geração, o Hyundai Creta 2022 segue essa estratégia.

A Hyundai decidiu manter cada Creta ao redor do mundo com alguma parte estética diferente para que cada país tenha seu modelo único. O primeiro a ser lançado foi o ix25 na China em 2019. Aliás, o país número um em venda de carros no mundo é o único no qual o SUV compacto não se chama Creta.

Creta que não é Creta

Aliás, é por lá também que o interior é completamente diferente do restante do mundo. O Hyundai ix25 tem o mesmo volante do HB20, mas com base achatada. A versão global traz volante do Tucson. O maior destaque, entretanto, vai para a central multimídia vertical na qual concentra também o sistema de ar-condicionado.

Hyundai ix25 chinês [divulgação]
Hyundai ix25 chinês [divulgação]

O visual do painel é totalmente diferente dos Hyundai Creta vendidos nos outros países. Painel de porta traz mais couro, luzes ambiente e plástico em preto brilhante, recursos ausentes por aqui. Além disso, ele tem console central mais alto e alavanca de câmbio com base achatada.

Por fora o ix25 tem grade frontal formato cascata com base mais fina que a porção superior. A trama interna tem elementos ovalados e há uma fenda na parte superior com três entradas. As rodas são iguais às do Creta topo de linha no Brasil, enquanto a paleta de cores é absurdamente diferente, com direito a tons chamativos como laranja.

Hyundai ix25 chinês [divulgação]
Hyundai ix25 chinês [divulgação]

Na traseira, o Creta chinês tem lanternas conectadas, sendo a luz auxiliar de freio incorporada à barra vermelha que conecta as metades superiores da lanterna traseira. A lente da luz de seta é laranja e só há luz de ré de um dos lados do para-choque. Por lá ele usa motor 1.5 quatro cilindros aspirado de 115 cv e câmbio automático do tipo CVT.

Creta com curry

Quase um ano depois da estreia na China, o Creta começou a ser feito na Índia com algumas pequenas mudanças. A grade frontal recebeu acabamento interno cromado com filetes quadriculados. Na traseira o nome Creta ganhou proporção e destaque entre o logotipo da marca e a placa.

Já a cabine segue à risca o modelo internacional. Console em Y, volante do Tucson e painel parcialmente digital. Na Índia ele é vendido com motor 1.5 de 115 cv, tanto na versão a gasolina quanto na diesel. A diferença está no torque: 15 kgfm no gasolina e 25 kgfm no Creta diesel. Há ainda um 1.4 gasolina turbo de 140 cv e 25 kgfm.

Creta das neves

Mais próximo do modelo brasileiro, o Hyundai Creta russo é quase idêntico ao nosso modelo. Ele adotou grade frontal com estilo diferenciado, para-choque mais elegante e traseira sem lanternas conectadas. A diferença do modelo deles para o nosso é somente a grade frontal, que aqui tem pontos cromados.

O interior é idêntico, incluindo a opção de coloração marrom em boa parte dos plásticos. A oferta de motores é composta por um 1.6 aspirado de 123 cv e pelo mesmo 2.0 quatro cilindros de 150 cv usado aqui no Brasil. A diferença é que o Creta russo tem opção de tração 4×4, algo jamais oferecido no nosso país.

>>Hyundai Creta 2022 vale à pena é com motor 1.0 turbo | Impressões

>>Novo Hyundai Creta: preços, versões e equipamentos em detalhes

>>Segunda geração do Hyundai Creta desembarca por R$ 107.490



Fonte: Revista Carro