Bullying, indisciplina e solidão: o clima nas escolas brasileiras reveladas pelo Pisa 2018

45



Brasil não avançou em índice internacional da avaliação da educação e o ambiente escolar pode estar relacionado a este quadro. Pisa 2018: Para a OCDE, o ambiente pouco receptivo afeta o desempenho dos estudantes. Na imagem, sala de aula do CEM 10, em Ceilândia, no DF.
Divulgação
Os casos de bullying, indisciplina e solidão dentro das escolas do Brasil ocorrem em percentuais acima da média internacional, de acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês). Os dados foram divulgados nesta terça-feira (3) pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
Para a OCDE, o ambiente pouco receptivo afeta o desempenho dos estudantes. Os resultados do Pisa 2018 do Brasil apontam que 68% dos estudantes não sabem o básico de matemática; 50,1% apresentam baixo desempenho em leitura e 55,3%, baixo desempenho em ciência.
“As escolas não são apenas locais onde se aprende conteúdo, mas também espaços de desenvolvimento social e emocional”, aponta o documento da OCDE.
Pisa 2018: dois terços dos brasileiros de 15 anos sabem menos que o básico de matemática
MEC afirma que vai buscar integração com estados e municípios para reverter resultados
Para 29% dos estudantes brasileiros que participaram da avaliação, há ofensas nas escolas. Outros 41% dizem perder tempo de aula por causa da indisciplina e 13% relataram se sentir sempre sozinhos durante o período escolar.
O Pisa é uma avaliação mundial com provas de leitura, matemática e ciência. Além disso, os estudantes, professores, diretores de escolas e pais respondem a questionários. São estes questionários que trazem o diagnóstico das escolas. A mais recente edição, de 2018, foi aplicada a 10.691 alunos de 638 escolas do Brasil.
De acordo com os dados do Pisa 2018:
29% dos estudantes brasileiros relataram terem sofrido bullying. A média da OCDE é de 23%
41% dos estudantes disseram que há indisciplina nas salas: os professores precisam esperar muito tempo até a sala se acalmar. No Brasil, eles tiveram 19 pontos a menos em leitura do que os estudantes que não relataram este cenário
50% dos estudante faltaram a pelo menos um dia de aula e 44% chegaram atrasados na quinzena que antecedeu o Pisa. A média da OCDE é 21% e 48%
23% dos estudantes no Brasil concordam ou concordam plenamente que se sentem sozinhos na escola. A média da OCDE é 16%.
13% dos estudantes brasileiros afirmam que se sentem sempre tristes na escola
Camila de Moraes, analista de educação da OCDE, ressalta que os estudantes que relataram ter indisciplina em sala de aula tiveram desempenho 19 pontos abaixo dos demais.
“Alunos de escolas com mais disciplina tendem a ir melhor em provas de leitura, porque o tempo escolar é gasto com aprendizagem, e não para conter os estudantes. Quem sofre bullying tende a faltar mais à escola e, por isso, perdem mais conteúdo” – Camila de Moraes, analista de educação da OCDE
Para a OCDE, não basta que os estudantes atinjam altos níveis de proficiência nas áreas de conhecimento, mas também é importante que se sintam felizes, confidentes e integrados.
Neste ano, a série especial ‘Diário de escola’, do SPTV, mostrou a experiência de uma escola de São Paulo que criou um grupo de teatro e conseguiu reduzir casos de bullying entre os alunos. Confira no vídeo abaixo:
Diário de Escola: Alunos de escola da Zona Sul de SP fazem teatro para combater bullying
Como o Pisa avaliou o ambiente escolar?
A OCDE avaliou como os estudantes se sentem no ambiente escolar considerando três dimensões: o senso de pertencimento à escola, a habilidade de superar falhas e a satisfação com a vida.
Sobre indisciplina, no questionário os estudantes responderam a perguntas como: “Os alunos não ouvem o que o professor diz ”; “Há barulho e desordem”; “O professor precisa esperar muito tempo para os alunos se acalmarem”; “Os alunos não podem estudar bem”; e “Os alunos não começam a estudar após um longo tempo após o início da aula”.
“Um clima escolar positivo é pré-requisito para o melhor desempenho dos alunos e um forte indicador de desenvolvimento social e emocional”, afirma o documento.
O desenvolvimento da habilidade emocional é, inclusive, uma das competências gerais da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que pretende orientar a educação no Brasil. A BNCC do ensino infantil e fundamental foi aprovada em 2017 e, do ensino médio, em 2018.
Como é feito o Pisa?
O Pisa é uma avaliação mundial feita em dezenas de países, com provas de leitura, matemática e ciência, além de educação financeira e um questionário com estudantes, professores, diretores e escolas e pais;
O resultado é divulgado a cada três anos – a edição mais recente foi aplicada em 2018 com uma amostra de 600 mil estudantes de 15 anos de 80 países diferentes. Juntos, eles representam cerca de 32 milhões de pessoas nessa idade;
No Brasil, 10.691 alunos de 638 escolas fizeram a prova em 2018. São 2.036.861 de estudantes, o que representa 65% da população brasileira que tinha 15 anos na data do exame;
O mínimo de escolas exigidas pela OCDE é 150;
A prova é aplicada em um único dia, é feita em computadores, e tem duas horas de duração. As questões são objetivas e discursivas;
A cada edição, uma das três disciplinas principais é o foco da avaliação – na edição de 2018, o foco é na leitura;
O Brasil participou de todas as edições do Pisa desde sua criação, em 2000, mas continua muito abaixo da pontuação de países desenvolvidos e da média de países da OCDE, considerada uma referência na qualidade de educação.
Entenda o que é o Pisa, a avaliação mundial de educação
Initial plugin text


Fonte: Fonte: G1