Bolsas de NY renovam máximas intradia com sinais de possível acordo com a China

96



Índice S&P 500 caminha para a maior sequência de altas em dois anos. Com expectativa de acordo comercial entre China e EUA, praticamente todos os setores do S&P 500 avançam nesta sexta
Lucas Jackson/Reuters
Os principais índices de ações de Nova York bateram suas máximas históricas logo no começo da sessão desta sexta-feira (15). O impulso para a onda de compras vem de sinais positivos sobre um acordo comercial entre Estados Unidos e China, amenizando as preocupações a respeito da disputa que se arrasta há meses.
Por volta das 11h40, o índice Dow Jones subia 0,30%, aos 27.866,20 pontos, o S&P 500 avançava 0,33%, aos 3.107,00 pontos, e o Nasdaq ganhava 0,46%, aos 8.518,06 pontos. Com o movimento, todos os três índices renovaram suas máximas intradiárias nesta sexta-feira.
Guerra comercial: entenda as tensões entre China e EUA e as incertezas para a economia
Dentro do S&P 500, todos os setores sobem, com exceção de ‘utilities’ (empresas de serviços básicos como água e gás), com queda de -0,3%, e ‘consumer staples’ (alimentos, bebidas e bens não duráveis), com baixa de -0,1%. O índice é puxado pelo setor de saúde, com alta de 0,60%, indústria (+0,6%) e tecnologia (+0,5%).
Com o S&P 500 agora avançando 0,4% na semana, o índice caminha para o sexto avanço semanal consecutivo, a maior sequência de ganhos semanais desde o período encerrado em 3 de novembro de 2017, quando subiu por oito semanas seguidas, de acordo com a Dow Jones Market Data.
Progresso nas negociações
A busca por ativos de risco, como ações e moedas emergentes, ocorre na esteira de comentários do principal assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, que destacou o progresso nas negociações comerciais entre EUA e China.
As expectativas de que um acordo parcial possa ser assinado em breve diminuíram nos últimos dias, após reportagens que apontaram obstáculos entre os negociadores norte-americanos e chineses sobre questões agrícolas. No entanto, os comentários de Kudlow atenuam essas preocupações.
Além disso, o dia conta com dados positivos dos EUA, principalmente no campo do consumo. As vendas no varejo avançaram 0,3% em outubro, ante uma queda de 0,3% em setembro.


Fonte: G1