“Bandeira Azul” acabando com tradições. Blocos do Peró não desfilam no carnaval 2020

232

Quebrando uma tradição de 15 anos, o irreverente bloco Unidos do Perócão não irá participar do Carnaval de Cabo Frio em 2020. O motivo é a determinação da Prefeitura de mudar a concentração da Orla da Praia do Peró para a Praça do Moinho que, segundo os dirigentes do bloco, não comporta os componentes do Perócão porque já é ocupada por quiosques, feira de artesanato e dezenas de ambulantes no Carnaval.  A mudança também compromete a segurança não só na concentração como no desfile do bloco, que é formado basicamente por cariocas, segundo a avaliação dos dirigentes.

— A Praça do Moinho não tem a mínima condição de suportar o bloco, que reúne mais de cinco mil pessoas. A mudança aconteceu no ano passado e não deu certo. O local é reduto de quem quer curtir o Carnaval de outra forma. Sentimos-nos como intrusos e não foi possível realizar sequer a nossa tradicional concentração por falta de espaço – disse Eduardo Filho, presidente do Perócão. A decisão de não desfilar em 2020 foi tomada depois que a Prefeitura de Cabo Frio, através da Secretaria de Cultura, que organiza o Carnaval, anunciou a volta dos desfiles de blocos para a orla da Praia do Forte.

— Ficamos felizes pela conquista dos nossos blocos co-irmãos, mas ao mesmo tempo tristes por não terem autorizado nossa concentração na orla do Peró, fora da hora do bloqueio da avenida feita pelo projeto Bandeira Azul, que não colocou qualquer obstáculo para a concentração do Perócão em frente ao Hotel Âncora – acrescentou o dirigente. O bloco é formado por moradores do Rio que têm casa na Praia do Peró. O nome foi escolhido porque um cão acompanhava todos os ensaios dos ritmistas, que juntaram o nome do bairro e o cão para dar nome ao Perócão, que ensaia o ano todo na Lona Cultural de Guadalupe. Há quatro anos, a Bandeira Azul (selo internacional de qualidade conquistado pela Praia do Peró) foi o samba-enredo do bloco.

Presidente da Associação de Blocos e Atividades Carnavalescas de Cabo Frio (ABACCAF), Joir Reis lamentou a ausência do Perócão no próximo Carnaval: — O bloco está totalmente legalizado e alinhado com as atividades e conceitos da ABACCAF. Sentiremos muito a falta deste que é um dos principais atrativos do nosso Carnaval, organizado, ordeiro, responsável e irreverente.  O Movimento Amigos do Peró também lamentou a ausência do Perócão no próximo Carnaval. O corretor de imóvel Jorge Murilo de Oliveira lembrou que o balneário já tinha perdido o bloco “Só te Pegando”, formado por moradores da Barra da Tijuca, por falta de apoio da Prefeitura:

— Lamento a ausência do bloco como cidadão e como carnavalesco, admirador e participante. E vou além: a Prefeitura deveria incluir o desfile do Perócão na agenda oficial do Carnaval como atração turística devido à irreverência e tradição da agremiação – defendeu Machado Silva, dos Amigos do Peró. O secretário municipal de Turismo de Cabo Frio, Paulo Cotias, disse que desconhecia o problema e afirmou que vai procurar os dirigentes do Perócão para uma reunião.

BLOCO PEROÍSO TAMBÉM DESISTE DO CARNAVAL 2020

Outro que está fora da Folia de Momo nesse ano é o “Peróiso”, bloco que foi o primeiro a ser criado no bairro. Por tradição, o bloco sempre desfilou pelas ruas do bairro, saindo da Rua do Moinho, em frente o Mercado Tucano, passando pela praça, orla da praia do Peró e encerrando o desfile na Barraca Dois irmãos. O “Peroiso” sempre investiu no carnaval de Cabo Frio e é responsável por alguns dos grandes momentos do carnaval na cidade. trouxe a bateria da Unidos da Tijuca, “Tchacabum”, Dudu Nobre, entre outros. “Ainda lembramos quando a imortal Beth Carvalho regravou o samba do Peroíso sobre a Copa do Mundo”, disseram o idealizador do bloco, Emanoel Fernandes; e o presidente da agremiação, “Dom Rhatao”. Contato com o fim da tortura causada pelo inócuo governo de Adriano Moreno, e novo ares para o futuro, o “Peroíso” iniciou o projeto para ganhar as ruas novamente, em 2021. “Quem não se lembra dos compositores J.Guina e Brito (que também são autores do samba campeão do Salgueiro / Explode Coração. E do nosso amigo Maurição, do Império Serrano”, destaca Emanoel Fernandes.

©Plantão dos Lagos
Fonte: Correio Brasiliense
Fotos: divulgação